• Por que celebramos as celulites e coxas grossas de Paolla Oliveira na praia?

    Em tempos de quebra de padrões e paradigmas, a atriz vira uma referência ao aparecer com o corpo natural, e aparentemente feliz, na praia

  • De luto, Nathalia Dill cancela participação no 'Encontro'

    Estava tudo certo para a atriz conversar com Fátima Bernardes sobre o último capítulo de ‘A Dona do Pedaço’

  • TV Globo paga R$ 1 milhão pelo silêncio de Izabella Camargo

    A jornalista foi demitida da emissora em 2018 e reintegrada ao canal em julho por determinação judicial, mas a emissora se recusou à recebe-la.

  • Em derrota ao governo, Senado aprova regra que aumenta nova aposentadoria

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Ao analisar mudanças à reforma da Previdência, o Senado aprovou, por 54 votos a zero, uma regra mais leve no cálculo de aposentadorias.  A reforma da Previdência, que passou a valer na semana passada, determina que será considerado todo o histórico de contribuições do trabalhador.  Antes da reforma, a fórmula era mais vantajosa, pois considerava apenas 80% das contribuições mais elevadas. A proposta aprovada nesta terça-feira (19) prevê uma nova mudança: o cálculo será com base em 100% dos salários apenas após cinco anos. Mas isso ainda depende de votação em segundo turno no Senado e, depois, de avaliação na Câmara. O acordo no Senado prevê que a aposentadoria será calculada novamente sobre as 80% maiores contribuições. A partir de 1º de janeiro de 2022, essa taxa sobe para 90% e alcançaria 100% em janeiro de 2025. O governo defendia que a fórmula da reforma da Previdência, em vigor desde semana passada, fosse mantida. Mas interlocutores do presidente Jair Bolsonaro no Congresso tiveram que ceder. Com isso, o Senado concluiu a votação, em primeiro turno, da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) com mudanças à reforma da Previdência. Chamado de PEC paralela, o projeto inclui ajustes defendidos por senadores à reestruturação das regras de aposentadoria e pensões de trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos, que foi promulgada na semana passada. O texto-base da proposta paralela foi aprovado em primeiro turno no começo de novembro, mais ainda era necessário analisar os destaques, pedidos de votação de trechos específicos do projeto. Foi numa votação desses destaques que o governo perdeu em relação à regra de cálculo de aposentadorias. Em um dos destaques, o Senado rejeitou, por 41 votos a 29, uma regra mais vantajosa para a aposentadoria por invalidez. A ideia, apresentada pelo PT, era que todos trabalhadores tivessem direito a 100% do benefício. Com a reforma da Previdência, o benefício passou a ser integral apenas em caso de acidente do trabalho ou doença profissional.  O principal objetivo da PEC paralela é permitir que a reforma seja estendida para servidores estaduais e municipais. Estados e municípios também passam por uma crise nas contas públicas, pressionadas com a alta nos gastos com aposentadorias e pensões. Para incentivar o ajuste fiscal nesses entes, tramita no Senado, com apoio do governo, essa PEC para que governadores e prefeitos possam replicar o endurecimento das regras previdenciárias para os servidores. Bastaria a aprovação de um projeto de lei nas respectivas assembleias e câmaras municipais. Isso facilita o trabalho desses governantes, que não precisariam fazer a própria reforma. O relator, Tasso Jereissati (PSDB-CE), criou ainda a possibilidade de que estados e municípios revejam essa decisão. A revogação também seria por projeto de lei.

  • Preso ganha liberdade provisória, anda 50m e mata idosa

    Ele invadiu uma casa em frente ao local onde recebeu a tornozeleira eletrônica

  • Pabllo Vittar rebola de fio dental e mini short

    Pabllo Vittar está de folga e compartilhou um momento de descontração com os fãs nesta terça-feira (17). Ela compartilhou no feed Instagram um vídeo em que dança de fio dental

  • Em primeiro evento do novo partido de Bolsonaro, militantes hostilizam jornalistas

    Primeira convenção da sigla contou com aguerridos participantes populares, que alteravam gritos de guerra em apoio ao presidente com xingamentos a profissionais de imprensa como “lixo”, “esquerdistas” e “raça imunda”.