• Romário faz viagem com namorada 31 anos mais jovem; veja fotos

    O ex-jogador viajou para Nova Iorque com a estudante Ana Karoline Nazário, de 22 anos.

  • 5 vezes que Ellen Rocche mostrou que lingerie bege também pode ser sexy

    A artista quebrou tabu e fez várias fotos sensuais usando peças da cor bege

  • Xuxa sobre filme erótico: 'O Pelé fez eu fazer e me estrepei. Odiei'

    Trinta e sete anos depois de seu lançamento, ‘Amor Estranho Amor’ continua rendendo polêmicas

  • Ana Paula Padrão é bloqueada em rede social por curtir demais

    Ela passou o dia curtindo mensagens de internautas que a consolavam pela morte do pai Fausto Padrão

  • O jogo virou! Jojo Todynho encontra guarda que levou sua mercadoria quando era camelô

    A funkeira fez um desabafo em suas redes sociais após encontrar o homem que a fez sofrer no passado

  • Yahoo Vida e Estilo

    Nike lança coleção inspirada na bandeira do arco-íris no Mês do Orgulho LGBTQ

    Junho é o Mês do Orgulho LGBTQ e a Nike celebra a diversidade em grande estilo. A marca esportiva lança a coleção Be True, inspirada na icônica bandeira do arco-íris criada pelo artista e ativista norte-americano Gilbert Baker, que faleceu em 2017.Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!A linha, que chegará às lojas e site da Nike a partir do próximo domingo (16), traz tênis, chinelo, camisetas, moletons, bolsa, meia e boné. A marca ainda não divulgou os preços de todas as peças.Leia também:Disney lança coleção de roupas e acessórios para celebrar o orgulho LGBTQSkol Beats se une a drag queens brasileiras e lança latas especiais no Mês do Orgulho LGBTQNatura é boicotada nas redes por campanha com casais homossexuaisO mais legal é que até as caixas dos tênis e palmilhas entraram na onda colorida! A coleção Be True será vendida no mundo inteiro e parte dos lucros das vendas aqui no Brasil será revertido para a Casa 1, organização que acolhe pessoas LGBT e promove atividades culturais em prol da diversidade. Incrível!Amamos marcas engajadas em boas causas! Na galeria acima, você confere os produtos da novidade da Nike.

  • Após o problemático Max, Airbus coloca Boeing em outro dilema

    (Bloomberg) -- A Boeing chega ao Salão Aéreo de Paris neste ano precisando fazer escolhas difíceis, que podem determinar quem vai liderar o duopólio de jatos comerciais: ela própria ou a Airbus.Tentando se recuperar após seu modelo de aeronave mais importante ter sido impedido de voar após dois acidentes trágicos, a Boeing precisa reconsiderar o cronograma e a estratégia para novos modelos. A pressão aumentou porque a Airbus deve apresentar uma versão de longa distância do A321, potencialmente tirando mais clientes da rival americana no mercado cada vez mais importante de aviões com autonomia média de voo.O jogo de gato e rato nos lançamentos da próxima década é um dos grandes problemas do presidente da Boeing, Dennis Muilenburg, nos encontros com clientes e no diálogo com o público no maior encontro do setor, que começa em 17 de junho em um aeródromo ao norte de Paris.Ele precisa optar entre um avião para este segmento médio do mercado para conter a deserção da clientela para o A321 ou despejar US$ 15 bilhões ou mais em um sucessor do 737. Este último cenário ganhou urgência considerável. O Max já está impedido de voar há quatro meses e alguns clientes estudam cancelar pedidos definitivamente.Se a Boeing não acertar, "a Airbus tem caminho aberto para conquistar 60% de participação de mercado nos próximos 10 a 15 anos”, disse Henri Courpron, presidente e fundador da Plane View Partners. “A Airbus está esperando tranquilamente pela decisão da Boeing.”A dinâmica lembra um confronto em 2011, quando a Airbus abalou o equilíbrio de poder ao conquistar uma gigantesca encomenda da American Airlines, cliente antiga da Boeing, graças a uma nova opção de turbina para aviões de corredor único. O ocorrido forçou a Boeing a responder com o 737 Max, modelo que hoje está no centro da profunda crise que atinge a empresa.No ano passado, a empresa europeia tirou da Bombardier o controle do A220, o avião tecnologicamente mais avançado do segmento. A Boeing revidou formando uma joint venture de aeronaves comerciais com a brasileira Embraer. A Boeing se recusou a discutir seus planos para o segmento médio do mercado ou para um eventual substituto do 737."Estou muito confiante na família Max de aeronaves", respondeu Muilenburg em 29 de maio, quando perguntado sobre um jato de corredor único para o futuro. “Então não mudamos nossas expectativas quanto à longevidade dessa linha. Mas continuaremos de olho em oportunidades futuras de produtos.”A Airbus não comentou sobre planos para qualquer anúncio de produto no Salão Aéreo de Paris - o primeiro sob o comando do novo presidente Guillaume Faury.American Airlines, a indiana IndiGo, a JetBlue Airways e o empreendedor de aviação David Neeleman já manifestaram interesse pelo A321XLR, novo modelo estudado pela Airbus para tirar clientes da Boeing no segmento médio. O mais novo A321 ficaria disponível em 2023 ou 2024, um ano antes do produto da Boeing, com autonomia para voar, por exemplo, entre a Europa Central e o coração dos EUA.\--Com a colaboração de Janan Hanna.Repórteres da matéria original: Julie Johnsson em Chicago, jjohnsson@bloomberg.net;Benjamin D. Katz em London, bkatz38@bloomberg.netPara entrar em contato com os editores responsáveis: Brendan Case, bcase4@bloomberg.net, Benedikt KammelFor more articles like this, please visit us at bloomberg.com©2019 Bloomberg L.P.