Hummm... a página que você está procurando não está aqui. Tente a busca acima.
  • Com presença de Salles, Ibama inicia maior operação no governo de Bolsonaro

    MANAUS, AM (FOLHAPRESS) - Com direito a presença de ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e a anúncio de madeireiro, o Ibama inicia nesta quarta-feira (17) a sua maior operação desde o início do governo Jair Bolsonaro. Ao todo, serão enviados cerca de 200 homens a Espigão d'Oeste (RO), cujas madeireiras dependem da extração ilegal de madeira de terras indígenas.  Trata-se uma demonstração de força em resposta à queima de um caminhão-tanque a serviço do Ibama, no último dia 4, em Boa Vista do Pacarana, distrito de Espigão. O veículo estava sendo usado para abastecer três helicópteros que apoiavam uma operação contra o rumo de madeira. Para os servidores do Ibama, será também o grande momento de definição sobre o rumo que o órgão tomará no governo Bolsonaro. Pressionado por madeireiros e políticos aliados, o Planalto terá de decidir se continua desqualificando as ações da fiscalização ambiental ou se agirá com firmeza contra os madeireiros de Espigão, que dependem do roubo de madeiras em terras indígenas para operar.  Além de 30 agentes do Ibama, a operação, batizada de Honoris, contará com 60 PMs de Rondônia e 110 homens do Exército. Eles ficarão acampados na cidade por tempo indeterminado.  Por causa do ataque, o Ibama teve de abortar a operação, que estava sendo realizada na Terra Indígena Zoró. No mesmo dia, embargou todas as 47 madeireiras de Espigão, uma cidade de 32 mil habitantes a 540 km ao sul de Porto Velho.  A chegada de Salles e da operação nesta quarta foi anunciada pelo presidente do sindicato dos madeireiros, Cássio Barden. Em vídeo que circula pelas redes sociais, ele aparece "convocando a todos para que pegue a bandeira do Brasil, a sua camisa amarela" para recepcionar o ministro.  "A gente quer mostrar para ele que não está certo essa questão de ter bloqueado as empresas de Espigão d'Oeste por um fato isolado de vândalos", afirma Barden. "A gente está aguardando que todos estejam lá ordeiramente, civilizadamente. Ninguém faça nada de bobagem, para que a gente possa liberar as nossas empresas."  A ausência do fator surpresa não preocupa o Ibama, já que o objetivo principal é dar uma resposta ao ataque contra a operação, inibindo novos ataques contra agentes ambientais. A previsão é que Salles chegue por volta das 8h a Espigão, onde se reunirá com madeireiros e políticos de Rondônia no teatro da cidade. Depois, o ministro deve conhecer uma área destruída pelo garimpo ilegal de diamante na Reserva Roosevelt (etnia cinta-larga), na mesma região, e uma área de extração ilegal de madeira, também em terra indígena. Desde a campanha, Bolsonaro tem criticado duramente a atuação do Ibama. Em vídeo gravado em 12 de abril, ele desautorizou uma operação em andamento na mesma região do ataque.  O presidente acusou "o pessoal do meio ambiente, do Ibama" e "queimando caminhões, tratores" nos municípios de Cujubim, onde fica a Flona do Jamari, e de Espigão d'Oeste. "Ontem, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, me veio falar comigo com essa informação. Ele já mandou abrir um processo administrativo para a apurar o responsável disso aí. Não é pra queimar nada, maquinário, trator, seja o que for, não é esse procedimento, não é essa a nossa orientação", disse à época. Diferentemente do que afirma Bolsonaro, a legislação permite a destruição de equipamentos e veículos apreendidos durante fiscalização ambiental, por meio do artigo 11 do decreto 6.514, de 2008.

  • 'Vovó mais sexy do mundo' acusa Instagram de preconceito em relação a idade

    Uma avó acusou o Instagram de ter preconceito com idade depois que a plataforma de mídia social deletou uma de suas postagens.

  • Ex-comentarista da Globo sofre com Alzheimer e é ajudado por Arnaldo Cezar Coelho

    Segundo reportagem do UOL, sem familiares próximos e com problemas financeiros, o amigo Arnaldo Cezar Coelho, com quem já discutiu no ar sobre arbitragem, o ajudou para ir ao Retiro dos Artistas no ano passado

  • Após demissão da Globo, Mauro Naves surge ao lado de Galvão Bueno em viagem de jatinho

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O jornalista Mauro Naves, 59, parece estar recebendo total apoio dos colegas do esporte da Globo após ter sido demitido da emissora por seu envolvimento nas investigações sobre a denúncia de estupro contra o jogador Neymar. A mulher de Mauro, a atriz Patrícia Naves, publicou neste domingo (14) em seu perfil no Instagram fotos de uma viagem que o casal fez ao lado do locutor Galvão Bueno e sua mulher, Desiree Soares, com direito a jatinho com vinho a bordo. Os dois casais foram até a Bellavista Estate, propriedade onde fica a vinícola de Galvão Bueno, a Bueno Wines, na Campanha Gaúcha, em Candiota, no Rio Grande do Sul. Patrícia Naves, que já fez declarações sobre a grande dor causada na família pela demissão, citou na legenda das fotos trecho da "Canção da América", eternizada na voz de Milton Nascimento: "amigo é coisa pra se guardar debaixo de sete chaves, dentro do coração". Colocou ainda diversas hashtags para expressar gratidão.  Há quatro dias, o próprio Mauro Naves postou em seu perfil no Instagram a foto de um almoço com o comentarista Casagrande, a quem chamou de "um amigo que fiz pra durar a vida toda" e com quem divide muitas histórias.  Em uma clara referência à sua demissão da emissora após 31 anos, Mauro afirmou que o encontrou o ajudou a revigorar a alma neste momento. A Globo anunciou na semana passada a demissão de Mauro Naves da emissora.  O repórter esportivo estava afastado do canal carioca desde 5 de junho. O motivo foi o fato do repórter ter passado o contato do pai de Neymar a José Edgard Bueno, advogado que trabalhava para Najila Trindade. Ela afirma ter sigo agredida e estuprada pelo jogador do Paris Saint-Germain. Neymar nega, e o caso é investigado pela Polícia Civil. Segundo a própria emissora, o jornalista disse que se limitou a repassar os contatos do pai do Neymar para o advogado, a quem já conhecia, porque esperava obter a história com exclusividade.

  • Luciana Gimenez é questionada sobre 'quem banca seu luxo' e Lucas Jagger responde: 'Ela trabalha, desempregado sou eu'

    Curtindo o verão na Grécia, Luciana Gimenez parece estar incomodando um pouco com seu "escritório na praia

  • Yahoo Vida e Estilo

    Grazi com roupa grifada, Sheron Menezzes de body: veja os looks no lançamento de "Bom Sucesso"

    A noite de segunda-feira (15) foi de festa para o elenco da novela “Bom Sucesso”, próxima trama das sete da Globo, com estreia marcada para o dia 29 de julho. Eles se reuniram para o lançamento do folhetim em uma casa de shows na Lapa, bairro boêmio do Rio de Janeiro.Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!Grazi Massafera, a protagonista, brilhou usando um vestido azul marinho da marca Givenchy. Sheron Menezzes, que faz seu primeiro trabalho na TV após a maternidade, apostou em um decotado. Teve ainda o galã David Junior de saia, Rômulo Estrela, Lúcio Mauro Filho, Antônio Fagundes e mais.Confira os looks usados pelos famosos no lançamento de “Bom Sucesso”:

  • Bolsonaro anuncia suspensão de vestibular para trans em universidade federal

    SALVADOR, BA E BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) anunciou nesta terça-feira (16) que o Ministério da Educação interveio na Unilab (Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira) para suspender o vestibular que reservava 120 vagas para transgêneros e intersexuais. Criada em 2010, a Unilab possui campi no Ceará e na Bahia e tem como foco o intercâmbio com países africanos de língua portuguesa. Tem cerca de 6,5 mil alunos.  "A Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira (Federal) lançou vestibular para candidatos TRANSEXUAL (sic), TRAVESTIS, INTERSEXUAIS e pessoas NÃO BINÁRIOS. Com intervenção do MEC, a reitoria se posicionou pela suspensão imediata do edital e sua anulação a posteriori", afirmou o presidente em uma rede social. O edital do vestibular havia sido lançado na última terça-feira (9) com 120 vagas em 19 cursos de graduação nos campi do Ceará e da Bahia. Entre os cursos, estavam administração, agronomia, antropologia, ciências biológicas, enfermagem, história, pedagogia e química. O número de vagas, porém, variava para cada curso. O curso de administração, por exemplo, tinha cinco vagas previstas no Ceará. Já o de agronomia tinha duas previstas. A data de inscrições ia de 15 a 24 de julho. Em nota, o Ministério da Educação informou que, por meio da Procuradoria-Geral da República, questionou a legalidade do processo seletivo Unilab. O MEC alega que a Lei de Cotas não prevê vagas específicas transgêneros e intersexuais. "A universidade não apresentou parecer com base legal para elaboração da política afirmativa de cotas, conforme edital lançado na semana passada. Por esta razão, a Unilab solicitou o cancelamento do certame", informou o ministério da Educação. O objetivo do edital era aumentar a inclusão de transexuais, travestis, pessoas não binárias (que não se identificam totalmente como homem ou como mulher) e intersexuais (que possuem variação de caracteres sexuais incluindo cromossomos, gônadas ou órgãos genitais que dificultam sua identificação como totalmente feminino ou masculino). A criação de vagas para específicas para pessoas trans já vinha sendo adotada em outras universidades, mas seguindo o formato de cotas. No ano passado, a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) abriu edital de vestibular com cotas para transexuais, travestis e transgênero. Este ano, Universidade Federal da Bahia, aprovou inclusão de cotas para pessoas trans em seus cursos de mestrado e doutorado. A reportagem não conseguiu contato nesta terça-feira (16) com o reitor da Unilab, Alexandre Cunha Costa.