Hummm... a página que você está procurando não está aqui. Tente a busca acima.
  • 'Tem que chamar um professor de javanês', diz Barroso sobre voto de Toffoli

    Presidente do STF se manifestou favorável a imposição de restrições a órgãos de controle; dois ministros demonstraram dificuldade em entender o posicionamento

  • Cleo diz que agora só quer ter casos e não mais se apaixonar: 'Totalmente racional'

    "Esses dias eu já vi que estava ficando apaixonada e falei: 'Não, tchau'", contou à Sabrina Sato durante entrevista

  • Mama Bruscheta desiste de tratamento contra câncer por fé

    Mama Buschetta foi diagnosticada com câncer de esôfago e fez uma cirurgia para retirar o tumor, mas contou que não vai seguir com o tratamento

  • Veja o que se sabe até agora sobre convite para Moro assumir ministério de Bolsonaro

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma entrevista do ex-ministro Gustavo Bebianno ao jornalista Fábio Pannunzio reacendeu a polêmica sobre o convite do presidente Jair Bolsonaro ao ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro para assumir o Ministério da Justiça. Ex-secretário-geral da Presidência e homem forte da campanha eleitoral do PSL em 2018, Bebianno diz que ouviu de Paulo Guedes que Moro foi sondado pelo hoje ministro da Economia antes do segundo turno das eleições. Moro afirma que tratou do assunto na semana anterior ao segundo turno, realizado no dia 28 de outubro, e que o convite oficial foi feito em novembro, após o resultado. Moro rebateu nesta quarta (20) coluna de Elio Gaspari, publicada na Folha, sobre o convite. No texto "O mistério do convite a Moro", Gaspari trata da entrevista de Bebianno a Fábio Pannunzio. Quando Bolsonaro sondou Moro pela primeira vez para o Ministério da Justiça?  Segundo relatos, o hoje ministro da Economia, Paulo Guedes, foi responsável pelos primeiros contatos com o então juiz Sergio Moro ainda durante a campanha eleitoral. Foram cerca de cinco conversas até a sondagem definitiva, no dia 23 de outubro de 2018 -antes do segundo turno da eleição, realizado no dia 28. Quando Bolsonaro fez o convite?  O convite formal foi feito em 1º de novembro de 2018, quando Moro e Bolsonaro, já presidente eleito, se encontraram pela primeira vez, no Rio de Janeiro. O que diz o ex-ministro Gustavo Bebianno? Segundo o ex-secretário-geral da Presidência, Guedes lhe contou ter conversado com Moro "cinco ou seis vezes" antes do segundo turno das eleições do ano passado sobre a possibilidade de assumir o ministério da Justiça. A versão de Moro De acordo com o ex-juiz, na semana anterior ao segundo turno ele foi sondado por Guedes e somente após o resultado recebeu o convite oficial de Bolsonaro. Segundo ele, não havia até então nenhum relacionamento ou quaisquer tratativas com Bolsonaro ou Guedes. O compromisso sobre indicar Moro ao Supremo Tribunal Federal foi algo tratado desde o início?  Aliados de Bolsonaro afirmam que, durante a conversa do dia 1º de novembro, em que foi feito o convite para o ministério, ele acenou com a possibilidade de indicá-lo ao STF. O que Moro disse sobre o assunto?  Em entrevista em maio, Moro afirmou que jamais estabeleceu a vaga no Supremo como condição para ser ministro. "Quando nós conversamos, bem, eu estava abandonando 22 anos de magistratura e aqui no Brasil é um caminho sem volta, é um certo sacrifício. [...] Eu acho que o presidente, tendo em vista essa situação, se sentiu com esse compromisso de oferecer essa vaga quando surgir no futuro." E Bolsonaro?  Em um primeiro momento, Bolsonaro disse que firmou um compromisso com Moro. Depois, voltou atrás e afirmou que não houve acordo prévio. "Não teve nenhum acordo, nada." A indicação ao STF foi uma condição para Moro assumir o ministério? De acordo com aliados do presidente, tratou-se apenas de um atrativo para Moro integrar o ministério.

  • Histórico recente de lesões de Neymar pode ser impulsionado por questões emocionais, diz Joaquim Grava

    Neymar teve um número elevado de lesões desde que chegou ao PSG, em 2017, algo diferente do resto de sua carreira. Joaquim Grava, convidado do Yahoo Esportes Entrevista, diz que conhece os profissionais que estão ao lado do craque na França e explica que questões emocionais podem atrapalhar neste caso.

  • Yahoo Finanças

    As promoções mais inusitadas na Black Friday

    Boa parte dos consumidores aguarda a Black Friday para adquirir os desejados smartphones, televisores, computadores e games. Nas últimas edições, porém, outros produtos têm ganhado destaque.É o que mostra um levantamento exclusivo feito pelo Promobit, social commerce que reúne ofertas em destaque da internet. Nem celular, nem TV: o produto que fez mais sucesso na Black Friday de 2018 foi uma oferta de papel higiênico.SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAMBAIXE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)No ano passado, a plataforma recebeu 8.832 ofertas e aprovou quase a metade disso, 4.397. O produto de maior sucesso, detalha o Promobit, com exclusividade para o Yahoo, foi um pacote de papel higiênico folha tripla com 24 rolos, que custava R$ 10,90.Na lista, também aparecem uma promoção de refil de batata frita em uma rede de fast food e um kit com 16 garrafas de cerveja importada por R$ 154. Houve quem comprasse antipulgas, cuecas e xampus.Leia tambémDe malas prontas?Black Friday pode ser oportunidade para viajarBlack Friday deve faturar 7% a mais neste ano, diz FecomercioSPProcon lista 400 sites não confiáveis para passar longe na Black Friday"É difícil imaginar que alguém espere a Black Friday para comprar papel higiênico ou creme dental, mas muitos consumidores são levados a fazer quando encontram uma oferta muito boa: são as conhecidas compras por oportunidade. Esse fenômeno também acontece com produtos mais caros, como celulares e TVs, mas quando é algo que a pessoa necessita e um preço que considera interessante, aí as chances da compra acontecer são maiores. Foi o que aconteceu com a promoção de papel higiênico, que até eu aproveitei" explica Fabio Carneiro, gerente comercial do Promobit.Outro fator que colabora para o aumento de itens inusitados na Black Friday é a mudança de comportamento do consumidor. “Percebemos uma mudança de hábito do brasileiro. As pessoas têm enxergado na Black Friday uma oportunidade para adquirir e estocar produtos de uso da casa, como higiene, limpeza e até mesmo alimentos que têm data de validade mais longa. É um movimento que já estamos acostumados a ver fora do país, mas vem aumentando entre os brasileiros também”, conta Israel Nacaxe, diretor de operações e cofundador da startup Propz.Confira alguns produtos que fizeram sucesso na última Black Friday.

  • Descubra quais são os cinco salários mais malucos do Brasil

    Você sabia que existe um atleta que recebe de três times diferentes na Série A? E que há um técnico desempregado que ganha de dois grandes do país?