Assunto

Belo Horizonte | Últimas notícias da capital mineira

  • Canaltech

    Aranha gigante "invade" casas e amedronta moradores de bairro de Belo Horizonte

    Na capital de Minas Gerais, Belo Horizonte, moradores do bairro Buriti vêm relatando o surgimento de aranhas gigantes dentro de seus apartamentos. A criatura em questão é uma aranha da espécie armadeira, com mordida dolorosa e com veneno de toxicidade moderada

  • Extra

    Helicóptero cai em zona Oeste de Belo Horizonte; ninguém se feriu

    RIO  — Um helicóptero caiu na manhã deste sábado no bairro Olhos d’Água, na Zona Oeste de Belo...

  • O Globo

    Helicóptero cai em zona Oeste de Belo Horizonte

    Aeronave caiu dentro de mata. Nenhum dos quatro tripulantes ficou feridos, segundo bombeiros

  • Folhapress

    Promotoria apura prisão sem mandado feita por PMs em ato com bolsonaristas em BH

    BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados vai realizar audiência pública sobre a prisão pela Polícia Militar de Minas Gerais do analista de segurança da informação Filipe da Fonseca Cezário, 32, em Belo Horizonte, no último sábado (1º). Em outra frente, o Ministério Público de Minas Gerais instaurou notícia de fato sobre a prisão, nome dado ao procedimento que antecede a abertura de inquérito civil público. Filipe foi preso dentro de casa sem mandado judicial sob suspeita de atirar ovos contra manifestantes pró-Bolsonaro que seguiam em passeata em frente ao prédio em que mora na região central de Belo Horizonte. A ação da PM contra Filipe foi acompanhada pelo deputado estadual Bernardo Bartolomeu Moreira (Novo), apoiador do governo de Jair Bolsonaro que participava da passeata. O parlamentar chegou junto com os policiais ao apartamento de Filipe, no 11º andar, em busca de quem poderia ter lançado os ovos, sem nem sequer acionar o interfone na portaria do prédio, conforme relatou o analista à reportagem. Em nota, a direção nacional do Novo tratou o comportamento do deputado estadual Bartô como "vergonhoso" e disse ter acionado a Comissão de Ética da legenda para punir o parlamentar. "A atitude de Bartô, deputado estadual de Minas Gerais, é vergonhosa e completamente incompatível com a de um servidor público, especialmente do Novo, partido que foi fundado para transformar o Brasil em um país admirável", diz nota da sigla. Segundo o comunicado, "o Diretório Nacional já tomou as medidas cabíveis junto à Comissão de Ética Partidária para punir adequadamente este ato deplorável, que desrespeita o Estado de Direito, a Constituição e o Estatuto do Novo". O deputado Bartô, em nota divulgada na tarde desta quinta-feira (6), fez críticas ao seu partido, afirmando não ter sido procurado para tratar do assunto. Disse ainda que a legenda está cada vez mais próximo da esquerda e persegue quem é de direita. “Informo que, em momento algum, fui procurado pela direção do Novo para tratar do assunto. Causa-me estranheza um partido que se diz prezar pelo Estado democrático de Direito sequer ouvir o outro lado antes de fazer julgamentos, inclusive, baseados em notícias midiáticas", diz o parlamentar, na nota. "Porém, infelizmente, isso não me surpreende já que o Novo, cada vez mais, se aproxima da esquerda e persegue quem é da direita. Exemplo é o caso da aproximação do Amoedo com o Ciro e nada é feito...", diz o deputado estadual. "Reforço que repudio todo e qualquer ato de agressão, sendo dever do cidadão evitar que esse tipo de ação seja praticada por qualquer pessoa, independente de sua ideologia", concluiu o parlamentar. O requerimento para a audiência pública, de número 52/2021, foi aprovado em reunião da comissão nesta quarta-feira (5). Segundo o deputado federal Rogério Correia (PT-MG), que assina o pedido junto com o colega de partido Padre João (PT-MG), o principal objetivo é ouvir o tenente Oliveira, que estava no comando da ação para prisão de Filipe. Vídeo feito pela namorada do analista de segurança da informação, Andreza Francis, 33, mostra o momento em que Filipe é levado de dentro de casa pelos policiais, com o deputado Bartô acompanhando a ação da PM da entrada do apartamento. Nas imagens é possível ver pelo menos três policiais dentro da casa de Filipe. "Isso não pode acontecer. É utilização da Polícia Militar enquanto polícia política, para dar guarida a determinada manifestação. Então, por esse aspecto, até por entender que é muito grave, nós aprovamos essa audiência pública e vamos solicitar a presença do policial militar responsável por efetuar essa prisão", declarou o deputado Rogério Correia. O parlamentar afirmou ainda que deverão ser ouvidos representantes da corregedoria da Polícia Militar, do Ministério Público e da Defensoria Pública, além de Filipe. O deputado acredita que a audiência será realizada, por videoconferência, nos próximos 15 dias. A reportagem voltou a questionar a Polícia Militar de Minas Gerais sobre procedimentos a serem adotados em relação aos policiais que prenderam o analista de segurança. A corporação, porém, reenviou posicionamento, já publicado nesta quarta-feira, afirmando apenas que os motivos que levaram à prisão de Filipe estão sendo averiguados. Ao MP-MG a PM informou ter aberto Relatório de Investigação Preliminar sobre o caso com prazo de 15 dias para conclusão. Em discurso da tribuna da Assembleia Legislativa nesta terça-feira (4), o deputado Bartô afirmou que Filipe foi preso por desobediência e desacato. A reportagem acionou a assessoria do parlamentar, já que a informação não foi repassada à pela PM. A assessoria de Bartô disse que o deputado, como testemunha, teve acesso ao boletim de ocorrência. Questionada sobre como o parlamentar foi testemunha, já que não tinha visto de onde os ovos partiram, a assessoria afirmou que o deputado foi testemunha não do lançamento dos ovos, mas do "ato da condução do Sr. Filipe Cezário". A reportagem procurou dois assessores da PM para esclarecimentos sobre como foi elaborado o boletim de ocorrência da prisão de Filipe e como as informações da corporação chegaram ao parlamentar, mas as ligações não foram atendidas. Filipe, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, afirmou que a todo momento "era Bartô que parecia estar à frente da ação policial". A assessoria do deputado afirmou ainda que Bartô "refuta" a informação de que é apoiador do governo do presidente Jair Bolsonaro. Confrontada com declarações já dadas pelo parlamentar neste sentido, a assessoria disse que "Bartô critica vários pontos: se critica, não apoia totalmente. Apoio é integral". O Ministério Público de Minas Gerais informou que a notícia de fato sobre a prisão de Filipe foi instaurada junto à 18ª Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos, Igualdade Racial, Apoio Comunitário e Controle Externo da Atividade Policial de Belo Horizonte. A Promotoria disse ainda que, em contato com a PM, teve como retorno declaração de que "considerando a necessidade de melhor esclarecer os fatos, buscando-se informações que viabilizem a análise adequada do ocorrido e da existência de indícios de prática de conduta antiética ou ilegal", determinou a instauração de Relatório de Investigação Preliminar, estabelecendo o prazo de 15 dias para a conclusão dos trabalhos".​

  • Folhapress

    PMs sem mandado prendem homem em casa sob suspeita de atirar ovos em bolsonaristas em BH

    Detenção aconteceu dentro da casa dele em Belo Horizonte e sem mandado judicial; Ele foi ouvido e liberado sete horas depois

  • LANCE!

    Presidente do Galo completa 4 meses no cargo e anuncia fim de dívida de R$ 15 mi com os Supermercados BH

    O débito foi quitado com a empresa, que emprestou dinheiro para o alvinegro

  • Folhapress

    Vacina era cotada por até R$ 600 mil por família de falsa enfermeira em BH

    BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Troca de mensagens obtida pela Polícia Federal em quebra de sigilos telefônicos revela como operava a família da falsa enfermeira que aplicava o que afirmava ser vacina contra Covid-19 em Minas Gerais. As conversas mostram a abordagem a possíveis clientes, o início de negociação de uma venda que poderia render R$ 600 mil e até uma bronca dada pelo banco, onde os recursos conseguidos entravam, sobre a origem do dinheiro. As mensagens, às quais a reportagem teve acesso, são entre a suspeita, Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas, seu filho, Igor Torres de Freitas, sua filha, Daniviele Torres, e o marido de Claudia, Ricardo Carvalho de Almeida. O advogado Bruno Agostini Ribeiro, responsável pela defesa da família, não respondeu aos contatos feitos pela reportagem. Cláudia e Igor, até o momento, são os únicos indiciados, enquadrados por associação criminosa e falsificação. As conversas foram captadas no período entre 11 de fevereiro e 25 de março, data em que a falsa enfermeira, que na verdade trabalha como cuidadora de idosos, esteve na garagem de uma das empresas do grupo de transportes Saritur, em Belo Horizonte. No local houve a suposta vacinação de pelo menos 57 pessoas, entre empresários e parentes, conforme lista apreendida pela PF no local. O caso foi revelado pela revista Piauí. Uma denúncia de vizinhos levou a Polícia Militar à garagem. O boletim de ocorrência relata que ao chegar ao local, na noite da terça, 23, os policiais não encontraram ninguém. A troca de mensagens também mostra como Cláudia deixou a garagem naquela noite. As investigações da Polícia Federal até aqui apontam que a família aplicava um golpe. Em diligências a corporação encontrou soro fisiológico na casa de Cláudia. A PF acredita que era isso o que vinha sendo aplicado pela suspeita. A cuidadora de idosos chegou a ser presa em 30 de março, mas foi solta em 3 de abril por habeas corpus. Mensagens entre Igor e uma pessoa identificada como Fábio em 11 de fevereiro de 2021 mostram que o nome de uma empresa de vacinação do Rio de Janeiro era utilizada no golpe. Igor diz: "É... a minha mãe é enfermeira. É assim. Nem todos vamos ser vacinados com a vacina da Covid e a gente tá disponibilizando a vacina através de um valor. Porque a gente trabalha, ela trabalha na empresa Vacinando. Se você pesquisar sobre a empresa existe, é real, tá? E nós estamos com a vacina do Covid". A reportagem conversou com Fábio, que não quis revelar seu nome completo, mas confirmou a conversa com Igor, a quem conheceu pela internet. Disse ainda ter percebido que se tratava de um golpe: "Sou uma pessoa esclarecida". As investigações da PF apontam que a cuidadora trabalhou para uma empresa de vacinação do Rio, e que apresentou registro falso de enfermagem para conseguir o serviço. À PF a Vacinando informou que Cláudia Freitas trabalhou para a empresa como correspondente em Minas, mas para vacinação contra gripe, e não em 2021. Em 8 de março, conversa entre a suspeita e seu marido trata de negociação a ser iniciada. Cláudia diz: "João quer fechar comigo uma grande quantidade de vacina". Ele quer fechar 500, mil... entendeu? A gente tá falando de dinheiro, de 300 mil, 600 mil reais". A PF investiga quem é a pessoa chamada de João e quanto o esquema pode ter movimentado, já que a mulher cobrava R$ 600 por duas doses. As investigações mostram ainda que a falsa enfermeira esteve em pelo menos três condomínios de alto luxo em Nova Lima, na Grande Belo Horizonte. No Village Terrasse, ficou por duas horas no dia 10 de fevereiro. No Grand Olympus esteve em duas datas, 27 de fevereiro e 20 de março. Foi ainda ao Alphaville Lagoa dos Ingleses, em data não registrada. No dia 23 de março, horas antes de a PM chegar na garagem do Caiçara, mensagens mostram problemas da família com movimentação financeira. Igor diz para Cláudia: "A mulher falou que tá entrando muito dinheiro na minha conta do Santander. É suspeita de lavagem de dinheiro". Não há registro de resposta. "Eu falei com ela aqui. Disse que não vai acontecer nada com a minha conta não. Falei, beleza. Eu só trabalho de enfermagem. Mais nada. Ela falou: ok", continuou o filho. Àss 20h34, Igor volta a falar com a mãe. "Mãe, kd vc". Cláudia responde: "Indo para casa". Depois diz: "chamaram a polícia, mas o cara despistou e a gente saiu". Entre as pessoas que já prestaram depoimento à PF por terem contratado os serviços da falsa enfermeira estão familiares do ex-senador Clésio Andrade e os irmãos Rômulo e Robson Lessa, da Saritur. Todos foram ouvidos como testemunhas e afirmaram terem caído em um golpe. O advogado da falsa enfermeira, Bruno Agostini Ribeiro, não respondeu aos contatos feitos pela reportagem. * LEIA A ÍNTEGRA DAS MENSAGENS 11.fev Igor: "Boa noite, tudo bem? Vim mandar uma mensagem para você aqui, mas como lado profissional. É... a minha mãe é enfermeira. É assim. Nem todos vamos ser vacinados com a vacina da Covid e a gente tá disponibilizando a vacina através de um valor. Porque a gente trabalha, ela trabalha na empresa Vacinando. Se você pesquisar sobre a empresa existe, é real, tá? E nós estamos com a vacina do Covid. Se caso você tiver interesse e alguém tiver interesse que você conheça, favor mande entrar em contato comigo. Muito obrigado. Boa noite". Fábio: "Opa. Tá bom. Eu falo sim. Qual a empresa? Não sabia que ia vender. Bacana". 8.mar Cláudia: "João quer fechar comigo uma grande quantidade de vacina". Ele quer fechar 500, mil... entendeu? A gente tá falando de, de dinheiro, de 300 mil, 600 mil reais. Ele quer conversar comigo hoje. Quero ver com ele". Ricardo: "para isso vai precisar de movimentação de escritório. Eu acabei de receber um convite, já mandei pro cara o meu currículo, na Raja Gabaglia, para trabalhar num escritório de engenharia. Estão se vocês fecharem e forem montar um escritório para isso, porque eu sei que a rotatividade vai ser cabulosa, a área operacional, se vocês quiserem eu não assumo lá em cima, entendeu? Se os caras me chamarem. Mas aí vou deixar você conversar com ele primeiro. Beijinho". 8.mar Cláudia: "Ricardo, eu não posso ficar, eu não... dá um tempinho pra mim. Deixa eu parar um pouco porque eu não tenho condição de ficar vacinando e olhando as mensagens que você tá mandando com foto de carro não. O povo é muito chato". 20.mar Igor: "Pelo amor de Deus. Não fica saindo... o Covid tá pegando todos". Cláudia: "Hoje só vou resolver o curso". Cláudia: "Eu sei. Pode não parecer, mas eu me cuido". 23.mar, dia em que a falsa enfermeira foi à garagem do bairro Caiçara Igor para Cláudia: "Deixa eu te falar. A mulher falou que tá entrando muito dinheiro na minha conta do Santander. E me perguntou um monte de coisa. Falou que se eu não falasse como eu tava ganhando dinheiro o banco ia encerrar a minha conta. Ia perder o dinheiro. Porque é muito dinheiro. É suspeita de lavagem de dinheiro. Então você toma cuidado". Igor: "Eu falei com ela aqui. Disse que não vai acontecer nada com a minha conta não. Falei, beleza. Eu só trabalho de enfermagem. Mais nada. Ela falou:ok". Não há respostas de Cláudia 23.mar, à noite Igor: "mãe, kd vc" Cláudia: "Indo para casa". Igor: "deu mole, ein" Cláudia: "chamaram a polícia, mas o cara despistou e a gente saiu". 25.mar Ricardo: "Sua mãe vai ter que cortar o cabelo e pintar". Danievele: "Gente, o problema não é esse. E sim as pessoas que conhecem ela reconhecerem ela". Ricardo: "Todo mundo acha que é de comida". Ricardo: "Covid". Danievele: "O advogado falou para minha mãe ficar despreocupada. Que não vai dar nada para ela". Ricardo: "preocupado com sua mãe".

  • Olhar Digital

    Prefeitura de BH vai financiar vacina desenvolvida pela Universidade Federal de Minas Gerais

    A prefeitura de Belo Horizonte vai financiar a vacina desenvolvida pela Universidade Federal de Minas Gerais. O valor que deve ser destinado para a produção do imunizante é de cerca de 30 milhões de reais. O valor vai ser usado para os teste de segunda fase com a vacina da UFMG. O dinheiro vai ser […]

  • Folhapress

    Acidente com avião deixa um morto e dois feridos em BH

    BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Um homem de 76 anos morreu e outros dois ficaram feridos depois que um avião saiu da pista e se partiu ao meio no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, nesta terça-feira (20). Os outros dois ocupantes que se feriram são um homem de 31 anos, que teve ferimentos leves e não precisou ser levado ao hospital, e o piloto, de aproximadamente 28 anos, um aluno em treinamento, retirado em estado grave e levado ao Hospital João 23, de helicóptero. O homem que morreu no local era o copiloto e instrutor. Ele e o piloto ficaram presos às ferragens na cabine. O resgate foi feito pelo Corpo de Bombeiros. Segundo os Bombeiros, o piloto fazia uma manobra de pouso e decolagem, uma técnica conhecida como toque e arremetida, em um procedimento de instrução, quando ocorreu o acidente. A aeronave parou a cerca de 100 metros da pista. Ainda de acordo com informações divulgadas pelos Bombeiros, a suspeita inicial é de que o trem de pouso da aeronave não abriu. A causa, porém, só será confirmada depois de perícia. Ainda não foram divulgadas informações sobre os proprietários da aeronave. A Infraero diz que o avião, um Learjet LR35, saiu da pista depois de um pouso de um voo teste. A pista ficou interditada de 13h55 até 14h29. Ainda segundo o órgão, o acidente será investigado pelo Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos). Por meio de nota, o órgão ligado à Aeronáutica reforçou a questão. "O objetivo das investigações realizadas pelo Cenipa é prevenir que novos acidentes com características semelhantes ocorram. A conclusão das investigações terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade de cada ocorrência e, ainda, da necessidade de descobrir todos os fatores contribuintes", diz a nota divulgada. A Polícia Civil de Minas Gerais também deslocou uma equipe para o local do acidente e a perícia realizou os primeiros levantamentos. Até o início da noite, a ocorrência seguia em andamento.

  • Agência Brasil

    Avião cai no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte

    Um avião de pequeno porte caiu hoje (20) no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte. De acordo com o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, as causas, até o momento, apontam para um problema na abertura do trem de pouso da aeronave. O avião saiu da pista após o pouso de um voo de teste. De acordo com o Corpo de Bombeiros, três pessoas estavam a bordo. Uma vítima já está fora do avião e teve escoriações. Outras duas continuam na aeronave. Os bombeiros estão tentando acessar a parte frontal do avião para retirá-las da estrutura. De acordo com a Infraero, a pista de pouso e decolagem do aeroporto ficou interditada entre 13h55 e 14h29. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) foi acionado e está investigando o acidente.