Assunto

Campinas | Últimas notícias do interior de SP

  • AFP

    Ator George Clooney compra propriedade com vinhedo na França

    O ator americano George Clooney comprou uma propriedade que inclui vários hectares de vinhedo em Brignoles, França, confirmou nesta quinta-feira à AFP a prefeitura da localidade, situada na região turística de Provença.

  • Yahoo Notícias

    Hospital de Campinas tem rotina de práticas racistas contra gestantes negras

    na semana passada, uma das gestantes quase teve o parto negado por conta de penteado afro nos cabelos

  • Folhapress

    Palmeiras vence o Guarani de virada em Campinas

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com time alternativo, o Palmeiras mostrou desentrosamento, mas foi cirúrgico nas chances que teve e venceu. De virada, a equipe derrotou o Guarani por 2 a 1, em Campinas, na noite desta sexta-feira, pelo Campeonato Paulista. Depois da estreia com vitória por 3 a 2 sobre o Universitario (PEU) na última quarta (21), pela Libertadores, o técnico Abel Ferreira decidiu poupar dez jogadores. Também não pôde contar com Lucas Lima, Gabriel Veron, Breno Lopes e Kuscevic, todos lesionados. O Guarani dominou a partida no primeiro e abriu o placar em chute cruzado de Andrigo aos 13 minutos. Poderia ter feito mais gols, teve um anulado pelo VAR e viu o atacante Davó perder grandes oportunidades. O castigo chegou aos 46, quando Gustavo Scarpa cabeceou e a bola desviou em Matheus Ludke antes de entrar. O Palmeiras melhorou na etapa final e passou também a ameaçar. A virada veio aos 24, quando Willian completou passe de Zé Rafael. O Guarani tentou pressionar quando ficou em desvantagem, mas continuou a finalizar mal. Com o resultado, o Palmeiras chegou aos 12 pontos e está em terceiro no Grupo C. O líder é o Red Bull Bragantino, com 20, mas fez dois jogos a mais em relação à equipe alviverde. O próximo jogo do Palmeiras no Estadual acontece no domingo (25) contra o Mirassol. Já o Guarani, que é o terceiro colocado do Grupo D, enfrentará o Santo André na segunda-feira (26). GUARANI Rafael Martins; Ludke (Éder Sciola), Romércio, Airton, Bidu; Bruno Silva, Rodrigo Andrade (Tony), Andrigo (Pablo); Bruno Sávio (Régis), Júlio César, Davó (Rafael Costa). Técnico: Allan Aal PALMEIRAS Vinícius Silvestre; Danilo Barbosa, Henri (Rafael Elias), Renan; Mayke (Gustavo Garcia), Felipe Melo, Gabriel Menino (Zé Rafael), Gustavo Scarpa, Viña (Esteves); Willian, Wesley (Giovani). T.: Abel Ferreira Estádio: Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas (SP) Juiz: Vinicius Gonçalves Dias Araujo (SP) Cartões amarelos: Renan (Palmeiras); Rodrigo Andrade e Bidu (Guarani) Gols: Andrigo, aos 13 minutos do primeiro tempo (Guarani); Ludke, aos 46 minutos do primeiro tempo (contra), e Willian, aos 24 minutos do segundo tempo

  • Yahoo Notícias

    Homem que fez ataque racista a motoboy volta a ofender negros e nordestinos em Campinas (SP)

    “Ele aparenta ter problemas mentais, mas problemas mentais direcionados para negros e nordestinos”, diz vítima; Mateus Almeida Prado, que humilhou motoboy em condomínio em Valinhos ano passado, promoveu série de ofensas contra donos e clientes de mercado

  • Folhapress

    Principal rota em São Paulo, trem entre Campinas e Jaguariúna volta a operar

    FOLHAPRESS - Maior rota turística em operação em São Paulo, a maria-fumaça entre Campinas e Jaguariúna voltará aos trilhos a partir do próximo sábado (24). Com as atividades paralisadas desde o dia 3 de março devido a restrições impostas pelo governo paulista como forma de combate à Covid-19, a maria-fumaça percorre um total de 48 quilômetros (ida e volta) entre as duas cidades. O roteiro inclui cinco estações ferroviárias e uma pausa em Jaguariúna, onde o turista, quando a normalidade permitir, poderá visitar uma feira com artesanatos e produtos típicos e almoçar em restaurantes nas proximidades da estação local. Operada pela ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária), a rota será retomada com dois horários no próximo final de semana e com a adoção de protocolos, como a limitação de passageiros nos carros, para que haja distanciamento entre os frequentadores. Às 10h10, o trem partirá da estação Anhumas, em Campinas, com destino à estação Jaguariúna. Às 15h será a vez da composição que faz meio percurso -deixa Anhumas com destino à estação Tanquinho, também em Campinas. A paralisação de cerca de dois meses não foi a primeira envolvendo o trem por conta da pandemia. Em março do ano passado, todas as operações do país sofreram interrupção em seu funcionamento como forma de tentar evitar a propagação do novo coronavírus. O trem seguiu paralisado até outubro, quando retomou as atividades com uma homenagem involuntária a cinco companhias ferroviárias que operaram no passado no país. Tracionada por uma locomotiva que pertenceu à Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, a composição tinha quatro vagões, que pertenceram à Estrada de Ferro Sorocabana, São Paulo-Paraná, Companhia Paulista de Estradas de Ferro e Viação Férrea do Rio Grande do Sul. O da Sorocabana era o carro-restaurante, enquanto os outros três, de passageiros, eram de primeira classe. A pandemia, aliás, fez com que nenhum passageiro fosse transportado por trens regulares ou turísticos por pelo menos cinco meses, fenômeno que não ocorreu nessa intensidade no país nem mesmo durante a Segunda Guerra (1939-1945) ou após a quebra da Bolsa de Nova York (1929). Os bilhetes custam R$ 120 (inteira) e R$ 80 (meia), para o percurso completo. Para meio percurso, a inteira custa R$ 100 e a meia, R$ 60. Até o fim de maio, porém, a ABPF está fazendo uma campanha da solidariedade, que fará com que o passageiro pague meia-entrada para qualquer passeio caso ele doe um quilo de alimento. Nesse período, crianças de 6 a 12 anos pagarão R$ 40.

  • Folhapress

    Santos é goleado pela Ponte Preta em Campinas

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Santos poupou alguns de seus titulares diante da Ponte Preta nesta sexta-feira (16) e acabou goleado pelo time de Campinas, por 3 a 0, fora de casa. No jogo válido pela sexta rodada do Campeonato Paulista, o time mandante abriu três gols de vantagem logo no primeiro tempo, com dois de João Veras e um de Moisés. O Santos iniciou o duelo com um time alternativo, com somente três titulares: Kayky, Luan Peres e Gabriel Pirani. Depois do intervalo, Marinho, Pará e Lucas Lourenço ainda entraram no jogo, mas a vantagem feita pela Ponte nos primeiros 45 minutos lhe permitiu administrar o placar até o fim sem sofrer com as investidas santistas. Com seis pontos, o time de Ariel Holan está na segunda posição do Grupo D, com uma vitória, três empates e duas derrotas. PONTE PRETA Ygor; Apodi, Luizão, Ruan Renato e Yuri; Dawhan (Leo Naldi) e Barreto; Niltinho (Pedrinho), Camilo (Renato Mota) e Moisés; João Veras (Paulo Sérgio). T.: Fábio Moreno SANTOS John; Vinicius Balieiro (Pará), Kaiky, Luan Peres e Copete; Kevin Malthus (Jean Mota), Ivonei (Lucas Lourenço) e Pirani; Ângelo (Marinho), Kaio Jorge (Marcos Leonardo) e Lucas Braga. T.: Ariel Holan Estádio: Moisés Lucarelli, em Campinas (SP) Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Rafael Tadeu Alves de Souza VAR: José Claudio Rocha Filho Cartões amarelos: Vinicius Balieiro, Marcos Leonardo e Kevin Malthus; Yuri Gols: João Veras, aos 8min e aos 31min, e Moisés, aos 33min do 1º tempo

  • LANCE!

    Santos joga mal, leva três gols no primeiro tempo e perde para a Ponte Preta em Campinas

    Peixe jogou com apenas dois titulares e sofreu com os contra-ataques da Macaca

  • Folhapress

    Campinas publica edital para implantar modal ferroviário urbano até Viracopos

    RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - A Prefeitura de Campinas abriu um chamamento público para que consórcios ou empresas apresentem estudos com o objetivo de implantar um modal ferroviário urbano entre o pátio ferroviário da cidade, na região central, e o aeroporto internacional de Viracopos. O trecho ferroviário entre o centro do mais populoso município do interior paulista e o aeroporto tem 18 quilômetros. O objetivo do governo do prefeito Dário Saadi (Republicanos) é que os grupos interessados apresentem estudos técnicos para subsidiar a modelagem de uma concessão para a implantação e a operação do ramal. Por meio da assessoria da prefeitura, Saadi disse que o edital é o primeiro passo de um importante projeto para a região metropolitana de Campinas. Os estudos que forem apresentados pelos interessados indicarão, conforme a prefeitura, se o modelo mais viável será uma concessão ou uma PPP (Parceria Público-Privada). A decisão de publicar no Diário Oficial do Município o edital de chamamento ocorreu após autorização da comissão de gerência do programa municipal de PPPs, em 19 de março. Além de projetar o modelo, quem se interessar deverá apresentar levantamentos e estudos sobre a operação, inclusive econômico-financeiro e jurídico e que tecnologia usará –que gere baixa emissão de carbono. O prazo para apresentar requerimentos para fazer os estudos é de 30 dias e, quem for selecionado, terá três meses para entregar suas propostas. Campinas já teve, nos anos 1990, um VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), mas uma série de problemas fez com que o sistema operasse por poucos anos no município. O VLT foi construído entre agosto de 1990 e abril de 1993 pela empresa Mendes Júnior, vencedora de um processo de licitação conduzido pela extinta Fepasa (Ferrovias Paulistas S.A.). Em novembro de 1990, foi inaugurado experimentalmente e, até 1993, transportava em média 15 mil passageiros por dia. A obra utilizou recursos do governo do estado. Inicialmente, estavam estimadas em US$ 50 milhões (R$ 284 milhões), mas o valor ao final do contrato havia saltado para US$ 120 milhões (R$ 681,6 milhões), segundo anúncio feito pela própria direção da Fepasa à época. O sistema foi desativado em fevereiro de 1995, quando 150 funcionários foram demitidos, e teve como principal problema a falta de integração com outros modais de transporte. No total, o VLT tinha 7,8 quilômetros e passava por oito estações erguidas em concreto pré-moldado.

  • Folhapress

    Justiça autoriza sindicato de empregados do comércio de Campinas a comprar vacina para Covid-19

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) autorizou o Sindicato dos Empregados no Comércio de Campinas a comprar doses da vacina do coronavírus para imunizar comerciários e seus familiares. Cabe recurso. A expectativa do sindicato é importar cerca de 500 mil doses que seriam suficientes para imunizar os 80 mil comerciários e suas famílias. O excedente seria doado para o SUS (Sistema Único de Saúde). A decisão é do desembargador Johonsom Di Salvo, do Tribunal Regional de Justiça da 3ª Região. "Vacinar um grupo expressivo de pessoas (80 mil, mais seus parentes) não vai significar que os vacinados irão "furar filas", mas vai permitir que aos grupos já instituídos outros sejam agregados, diminuindo -ainda que por poucos dias- o cronograma de vacinação que, por ser o Brasil uma nação de 213 milhões de habitantes e extensão territorial de 8.514.876 km2, naturalmente será demorado", afirmou na decisão. "Ainda não negociamos com nenhum fabricante. Vamos começar a fazer isso hoje mesmo. Tínhamos uma preferência de adquirir as vacinas da Jansen, que precisam de apenas uma dose, mas eles já afirmaram que não venderão para particulares", afirmou Renato Bertani, diretor de relações institucionais do sindicato. O desembargador fixou uma série de condições que deverão ser cumpridas pelo sindicato: - Submissão da compra, internalização e conservação a ampla fiscalização pela Anvisa ou quem suas vezes fizer; - Contratação de empresas e destinação de locais apropriados, previamente autorizados pelo serviço de vigilância sanitária local, para que ocorra a vacinação gratuita dos comerciários filiados ao autor e os respectivos familiares com quem estejam em contato direto; - Prestação de contas à União e à Anvisa sobre a quantidade adquirida, o número de vacinas aplicadas e o excedente; - Cessão gratuita ao Ministério da Saúde, em até cinco dias úteis seguintes ao encerramento da vacinação do estoque excedente, ficando a conservação dessas doses e o transporte aos locais indicados, por conta do cedente; - Assunção exclusiva dos riscos referentes a responsabilidade civil em relação a eventos adversos pós-vacinação.

  • Folhapress

    Prefeitura de Campinas proíbe consumo de álcool em locais públicos

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A partir desta sexta-feira (2), o consumo de bebida alcoólica em locais públicos estará proibido em Campinas (93 km de SP). A medida será publicada pela prefeitura, gestão Dário Saadi (Republicanos), no Diário Oficial do município e será válida enquanto a cidade permanecer na fase emergencial do Plano São Paulo de combate à Covid-19. "Esta é mais uma ação para conter a propagação do coronavírus na cidade. A fiscalização ficará a cargo das autoridades sanitárias e de segurança, que já participam das ações realizadas em toda a cidade", afirmou a prefeitura, por meio de nota. De acordo com a administração municipal, a proibição no consumo de bebida alcoólica vale durante todo o dia, e não somente no período do toque de recolher, entre 20h e 5h. Ainda segundo a prefeitura, a medida foi tomada em conjunto entre todos os 20 prefeitos dos municípios que integram a região metropolitana de Campinas. As demais cidades da região são Americana, Artur Nogueira, Cosmópolis, Engenheiro Coelho, Holambra, Hortolândia, Indaiatuba, Itatiba, Jaguariúna, Monte Mor, Morungaba, Nova Odessa, Paulínia, Pedreira, Santa Bárbara d'Oeste, Santo Antônio de Posse, Sumaré, Valinhos e Vinhedo. Nesta semana, Campinas atingiu 100% de ocupação nos leitos públicos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para o tratamento de pacientes com a Covid-19. A taxa permanecia em 100% na noite desta quarta-feira (31), segundo boletim divulgado na página oficial da prefeitura em uma rede social. Até quarta, a cidade já tinha registrado 81.318 casos confirmados e 2.392 óbitos relacionados ao coronavírus. Outras cidades Além de Campinas, outros municípios do estado também impuseram restrições relacionadas às bebidas alcoólicas. No ABC paulista, a venda foi proibida nesta semana, durante o megaferiado criado após a antecipação de feridos municipais. Também na Grande São Paulo, Osasco e Guarulhos anunciaram medidas semelhantes. Em Osasco, a proibição vale até o próximo domingo (4) e afeta bares e supermercados. Em Guarulhos, a restrição é focada em lojas de conveniência. Segundo a prefeitura, gestão Gustavo Henric Costa, o Guti (PSD), o objetivo é tentar barrar a realização de festas clandestinas. Em Jundiaí (58 km de SP), o prefeito Luiz Fernando Machado (PSDB), anunciou no dia 26 a proibição da venda de bebidas alcoólicas em todos os estabelecimentos do município. Nem mesmo os serviços de delivery foram autorizados a entregar esse tipo de produto.