Assunto

Fernando Haddad | Últimas notícias do ex-prefeito de SP

  • Extra

    Adm de Juliette, do ‘BBB 21’, foi acusado de receber R$ 250 mil para criar fake news contra Haddad a mando de Serra, em 2012

    Os 20 milhões de seguidores conseguidos em cerca de dois meses não chamaram para Juliete Freire...

  • Yahoo Vida e Estilo

    Marcelo Serrado diz que se arrepende de apoio a Moro e defende Haddad

    O ator global é conhecido por ter integrado o "Morobloco" em manifestação a favor da Operação Lava Jato em 2016

  • Yahoo Notícias

    Em defesa de Felipe Neto, Haddad chama Bolsonaro de genocida: “Por que não manda a polícia aqui?”

    Petista lembrou que ele e João Doria já chamaram Bolsonaro de genocida, mas não foram intimados

  • Folhapress

    Candidatura de Lula em 2022 é uma decorrência natural, diz Haddad

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Apontado por Lula como o candidato presidencial do PT em 2022 antes desta segunda-feira (8), o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad disse ao jornal Folha de S.Paulo que sempre apoiou a precedência do ex-presidente, que então, na sua visão, deverá ser o representante do partido nas eleições. "Todas as vezes que falei do assunto fiz a ressalva sobre a precedência de Lula, que sempre apoiei", afirma Haddad. "A justiça é um fato a celebrar. A candidatura de Lula é uma decorrência natural", completa. Nas redes sociais, Haddad escreveu que "por justiça, a luta sempre vale. Sem ela, não há paz". O ex-prefeito, que também foi ministro da Educação durante os governos Lula e Dilma Rousseff, começou a fazer uma agenda de viagens pelo país em fevereiro para "colocar o bloco na rua", como sugeriu o próprio ex-presidente. Em 25 de fevereiro, Haddad e Gleisi Hoffmann, presidente do partido, tiveram reunião em Belo Horizonte com o prefeito Alexandre Kalil (PSD). Segundo eles, a ideia era debater uma pauta comum de oposição a propostas do governo Jair Bolsonaro. Nesta segunda (8), o ministro do STF Edson Fachin determinou a anulação de todas as condenações proferidas contra Lula pela 13ª Vara Federal da Justiça Federal de Curitiba. Lula, 75, tinha sido condenado em duas ações penais, por corrupção e lavagem, nos casos do tríplex de Guarujá (SP) e do sítio de Atibaia. O ministro do STF entendeu que as decisões não poderiam ter sido tomadas pela vara responsável pela operação e determinou que os casos sejam reiniciados pela Justiça Federal do Distrito Federal. ​Assim, as condenações que retiravam os direitos políticos de Lula não têm mais efeito e ele pode se candidatar nas próximas eleições, em 2022. Lula estava enquadrado na Lei da Ficha Limpa, já que ambas as condenações pela Lava Jato haviam sido confirmadas em segunda instância.

  • Originais do Yahoo

    Haddad chama Bolsonaro de "frio serial killer" após presidente falar em "mimimi" e "frescura"

    Possível candidato de oposição para as eleições presidenciais de 2022, Fernando Haddad reagiu às falas de Jair Bolsonaro (sem partido) e chamou o presidente de "frio serial killer" (assassino em série, em tradução livre) por colocar "o que passa fome contra o que morre asfixiado".

  • Folhapress

    FHC diz sentir 'certo mal-estar' por não ter votado em Haddad contra Bolsonaro em 2018

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) demonstrou arrependimento em ter anulado o seu voto durante o segundo turno da eleição presidencial de 2018, disputada entre Jair Bolsonaro e o petista Fernando Haddad. Segundo FHC, ele sentiu um "certo mal-estar não ter votado em alguém contra" Bolsonaro, diante do que tem sido apresentado pelo atual governo. Ele também admitiu que pode votar no PT em 2022 caso a disputa entre o partido e Bolsonaro se repita. "A pior coisa é você ser obrigado a não ter escolha. Ao não ter escolha, permite o que aconteceu: a eleição do Bolsonaro. Teria sido melhor algum outro? Provavelmente, sim. Pergunta se eu me arrependo? Olhando para o que aconteceu com o Bolsonaro, me dá um certo mal-estar não ter votado em alguém contra ele", disse FHC em entrevista à revista Época. O ex-presidente disse que foi a única vez na vida em que votou nulo. A decisão, segundo ele, ocorreu por não acreditar na possibilidade de que o PT pudesse realizar um bom governo. "Embora eu reconheça que o outro lado tinha mais sensibilidade social do que o Bolsonaro. Mas tinha medo que houvesse uma crise muito grande financeira e econômica e rachasse ainda mais o país." Questionado sobre um eventual segundo turno em 2022 entre Bolsonaro e um candidato petista, FHC admitiu que poderia votar no PT. De acordo com o ex-presidente, este voto "depende de quem do PT seria capaz de levar o país. Espero que não se repita esse dilema. Pouco provável que se repita". Para FHC, o PT perdeu muita presença na política brasileira. "O Lula tinha uma imantação, que era do Lula, e não do PT", disse. "Não sei quem vai ser o candidato do PT. Mas eu prefiro que seja um candidato saído do PSDB, do centro, não necessariamente do PSDB", afirmou ele, em referência a um eventual segundo turno nas próximas eleições para presidente. O tucano voltou a abrir espaço no partido para uma filiação do apresentador da Globo Luciano Huck e disse que a candidatura de Doria à Presidência pelo PSDB não está garantida. "Eu acho que a prévia pode acontecer. É bom que aconteça. Nunca fui contra prévia", afirmou. Segundo FHC, caso Huck decida ser candidato à Presidência, ele primeiro precisa ter uma estrutura partidária razoável. "O Luciano não tem nenhuma e vai escolher. Essa escolha é importante para a estruturação da campanha, e não para o voto. Tem de escolher um partido que tenha a capacidade, que seja irrigado por vários setores da sociedade para que você possa chegar a eles", disse. O tucano considera positiva a presença do apresentador no partido, mesmo diante de outros pré-candidatos que já existem no PSDB. "Acho que o Doria já tem um partido. É suficiente? Não. Há o governador do Rio Grande do Sul, o Eduardo Leite. Ele pode querer ser [candidato a presidente]. Não sei. Acho que seria melhor uma composição entre eles." Na avaliação de FHC, uma filiação de Huck ao partido seria positiva para ambos. "Ele vai ter de calcular isso. Se vale a pena para ele. Para o PSDB é um candidato a mais. Mas o Huck vai ter de pensar em outra coisa. Qual é o partido que convém a ele? Será que é o PSDB ? Do meu ponto de vista, é. Mas o que vai prevalecer não é o meu, mas o ponto de vista dele. Nunca conversei com ele sobre isso", disse.

  • O Globo

    Haddad coloca Ciro coloca como candidato 'de direita' e presidente do PDT rebate com ironia

    Carlos Lupi citou lucros dos bancos durante os governos petistas

  • Folhapress

    Haddad coloca Ciro como candidato da direita e fala em união da oposição somente no 2º turno de 2022

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Apontado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como o candidato do PT à Presidência da República nas eleições de 2022, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad classificou Ciro Gomes (PDT) como um candidato da direita. Ele defendeu um pacto entre partidos da oposição a Jair Bolsonaro somente no 2º turno da disputa. A fala do petista foi em entrevista à rádio Bandnews de Manaus (AM). Logo após Lula indicar o nome de Haddad, no início de fevereiro, e adiantar o xadrez eleitoral para 2022, o PT passou a ser criticado por supostamente fragmentar a esquerda e, assim, fortalecer Bolsonaro. No último final de semana, em entrevista para a imprensa, o pedetista disse que seu objetivo na próxima eleição presidencial é tirar o PT do 2º turno. Ao ser questionado sobre essa suposta fragmentação causada na esquerda que Haddad falou sobre Ciro. “A direita tem o Ciro, Moro, Mandetta, Huck, Dória, qual é o problema? Isso tudo tem um ano e meio para se discutir. Não faz sentido inibir uma pessoa de se apresentar e conversar com a sociedade”, respondeu o petista. Para ele, o ideal é que sejam debatidas ideias e projetos até 2022 e os nomes “naturalmente vão surgir”. Sobre a união dos partidos que fazem oposição ao governo de Jair Bolsonaro, Haddad disse que o objetivo é construir uma aliança para o segundo turno e cutucou Ciro que, após ser derrotado no 1º turno de 2018, optou por uma viagem ao exterior e não participou da campanha petista contra Bolsonaro. “Para derrotar o Bolsonaro temos que ter um pacto de todo mundo que é oposição ao apoiar quem for para o segundo turno. Esse é o pacto que tem que ser feito. E não o que foi feito em 2018, quando cada um foi para um lado e deixou o Bolsonaro ganhar”, disse.

  • Folhapress

    Nadja Haddad diz que famosos tiveram resultados quase profissionais no Bake Off Brasil

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A competição de confeitaria Bake Off Brasil - Celebridades estreia neste sábado (20,) às 22h30, no SBT, e marca a primeira vez que o reality fará uma temporada inteira apenas com personalidades famosas. A lista dos 16 participantes tem celebridades de vários nichos, desde esportistas e atores até youtubers. Além da apresentadora Nadja Haddad, 37, o programa tem dois renomados jurados: a chef confeiteira Beca Milano, 33, que também integra a equipe da atração Fábrica de Casamentos (SBT), e o chef francês Olivier Anquier, 61, conhecido especialmente por sua trajetória como padeiro. "Foi muito inusitado", diz Haddad, em entrevista à reportagem sobre a temporada só com famosos. "Fiquei muito entusiasmada porque sabia que seria surpreendida de todas as formas". "Foi maravilhoso e uma experiência que emocionou a todos nós por toda a dedicação e entrega dos competidores", acrescenta Beca Milano. Para Olivier, "foi uma temporada efetivamente atípica". Antes de Bake Off Brasil - Celebridades, artistas já haviam participado apenas de especiais de Natal e Ano Novo, mas nunca em temporada completa. "Temos nove episódios e a competição tem vários desafios e diferentes níveis de dificuldade na confeitaria", explica Milano. Olivier Anquier afirma que este é o terceiro ano consecutivo que ele trabalha no programa. O que mudou, diz o chef, foi a conexão com Beca e Nadja. "Foi a nossa cumplicidade e intimidade. O que nos leva a ter uma relação ao longo das gravações muito mais solta, alegre e simpática." As gravações foram realizadas em 2020 e todos os cuidados foram tomados para que ninguém contraísse o coronavírus. "Cuidaram de todos os detalhes para que não tivesse nenhum problema", diz a jogadora de vôlei Fernanda Venturini, 50. "SBT criou uma estrutura sensacional", completa o youtuber Júlio Cocielo, 27. O cabeleireiro Rodrigo Cintra, 41, conhecido pelo programa Esquadrão da Moda (SBT), afirma que antes de cada gravação todos realizavam o teste de Covid-19, e que a emissora se preocupou em "proteger não só os participantes, mas toda a equipe da produção". Nadja Haddad afirma que ela e os jurados seguiram os protocolos sanitários contra Covid-19. "Colocamos álcool em gel em todas as bancadas e mantivemos o distanciamento, entre eles e entre nós [jurados]." Beca Milano reforça que a "equipe foi reduzida e a tenda adaptada para o atual momento". "As bancadas foram equipadas com divisórias de acrílico para manter o distanciamento social", diz. "Nossa cumplicidade e familiaridade com o programa nos ajudou muito neste momento particular que foram as medidas contra a Covid-19", completa Anquier. HABILIDADES NA COZINHA Quanto aos dotes na confeitaria, Fernanda Venturini afirma que não sabia nada. Para participar, ela pediu ajuda a uma amiga dona de uma grande rede de confeitaria no Rio de Janeiro. "Hoje, não como açúcar ou carboidrato, mas pensei 'que legal! Vou participar de um programa diferente e aprender a fazer doces'", afirma. Há 11 anos no SBT, Rodrigo Cintra diz que o convite para o reality foi uma surpresa positiva e desafiadora. "Não sabia fazer nem um bolinho de fubá!", diz o hairstylist, em tom de brincadeira. Para se preparar para o Bake Off Brasil, ele contratou uma chef para dar aulas do básico da confeitaria. O humorista e youtuber Júlio Cocielo afirma que estudou sozinho para o programa: "meus professores foram minha mãe, minha esposa e o Google". Já o ator Gabriel Santana, 21, diz que estudou em casa e que suas aventuras na cozinha começaram quando ele precisou morar sozinho. "Quando soube que só teria celebridades, fiquei muito feliz, porque pensei que eu estava no mesmo nível da galera, e o intuito seria se divertir. De todos os projetos que eu fiz, esse é o que me senti mais leve, tranquilo e que mais me diverti", diz. A chef confeiteira Beca Milano afirma que, mesmo sem experiência com confeitaria, os competidores tiveram ótimo desempenho: "Foi uma surpresa boa como foram evoluindo a cada semana". "Eu me arrisco a dizer que os resultados eram quase profissionais", diz Haddad. "Eles realmente treinaram. Todos levaram muito a sério, e isso foi muito relevante e nos deixou muito confortáveis", completa Olivier. Para as celebridades, o público pode esperar muita diversão e erros por parte dos participantes. "Nós nos divertimos muito porque era um pior que o outro! A maioria não sabia cozinhar, não sabia fazer nada", diz Venturini, em tom de brincadeira. Já Cocielo conta que fazia muitas brincadeiras junto do ilusionista Pyong Lee, 28. "Vamos conseguir divertir bem a galera." Quanto à relação com os jurados, os participantes afirmam que houve uma mistura de admiração e receio de, segundo Venturini, "levar uma bronca". "A sensação de você ser avaliado causa bastante nervosismo", diz Rodrigo Cintra. "Por mais que eles fossem tranquilos e respeitosos com as palavras, dava aquele friozinho na barriga", completa Gabriel Santana. Nadja Haddad diz que o público irá se divertir, e que as receitas podem ser replicadas em casa. "Pode esperar um entretenimento com leveza, boas refeições e receitas deliciosas. E tem a surpresa de conhecer artistas que se saíram como excelentes confeiteiros." "Como jurada posso afirmar que foi uma temporada inesquecível", afirma Beca Milano. Para Anquier, o público irá enxergar uma face mais sincera dos participantes, uma vez que eles estão totalmente fora de sua zona de conforto. "Vai ser como descobrir essas pessoas fora da zona de conforto."

  • Yahoo Finanças

    Luiza Trajano nega que será vice de Haddad com o PT contra Bolsonaro

    Empresária desmentiu boatos que estaria em chapa do PT em 2022.