Assunto

Guarulhos | Últimas notícias da grande SP

  • Yahoo Notícias

    Trio é investigado por vender atestados falsos para Covid no Aeroporto de Guarulhos

    Os três prometiam aos passageiros um resultado em 20 minutos. O caso foi registrado como tentativa de estelionato e infração de medida sanitária.

  • Folhapress

    Eleições em Guarulhos envolve drama da água e conflito sobre obras antigas

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A disputa pela Prefeitura de Guarulhos, segunda maior cidade do estado de São Paulo, com 1,4 milhão de habitantes, deve reeditar 2016 num contexto diferente daquele que interrompeu um ciclo de 16 anos do PT na cidade. Elói Pietá (PT), que comandou o município de 2001 a 2008, tentará impedir a reeleição de Gustavo Henric Costa (PSD). No último pleito, a rejeição ao PT deixou o ex-prefeito fora até do segundo turno. O segundo colocado então foi o hoje deputado federal Eli Corrêa Filho (DEM), que será cabo eleitoral da esposa, a empresária Fran Corrêa (PSDB). Estreante nas urnas, a tucana conseguiu formar o maior arco de alianças, com outras sete siglas, incluindo um vice do PDT e apoio do PSL. Pietá torce pela presença do ex-presidente Lula na campanha, que pode entrar em cena caso o cenário da pandemia melhore. Ao longo da gestão petista no governo federal várias obras foram realizadas na cidade, o que Pietá pretende usar como trunfo. O eleito terá pela frente desafios na área de infraestrutura e problemas agravados pela pandemia, como o atendimento na saúde -área que os três elencam como prioritária- e a geração de empregos. Eleito prefeito mais jovem da cidade, aos 31 anos, Guti, como é conhecido, diz que dedicou sua gestão à "reconstrução da cidade"--algo que os adversários contestam. Finalizou obras e afirma ter equilibrado as contas. Ele diz que isso dará fôlego para novas construções, caso reeleito. Entre suas promessas está a ampliação do número de UBSs (Unidades Básicas de Saúde). Seu maior legado até agora é ter conseguido um acordo para resolver o problema crônico do rodízio de água. No primeiro ano e meio de gestão, em 2017, ele afirma ter tentado um acordo com o então governador Geraldo Alckmin (PSDB) para a dívida de R$ 3,5 bilhões da empresa municipal de água com a estatal estadual Sabesp. As tentativas fracassaram, e o caminho foi negociar uma nova concessão de 40 anos com a empresa, assinada em dezembro de 2018, que tirou a dívida da conta do município. Um ano e meio depois, o prefeito afirma que a cidade está livre do rodízio, e isso deve marcar seu discurso. "Tínhamos 92% do território guarulhense com rodízio de água. Hoje, 100% de Guarulhos tem água todos os dias", diz. Há moradores que criticam a mudança. O estudante de pedagogia Emerson Dutra, 29, diz que em Cidade Tupinambá, no bairro Pimentas, ao lado da rodovia Ayrton Senna, o fornecimento de água piorou e ficou mais caro. Ele reclama ainda da falta de limpeza de bueiros, o que faz com que a cada chuva o esgoto invada a viela, onde ele mora. Guarulhos é o quinto município entre as 100 cidades mais populosas do país que menos investe em tratamento de esgoto em termos de arrecadação, segundo pesquisa do Instituto Trata Brasil, de 2018. O presidente-executivo do órgão, Édison Carlos, diz que a cidade tem melhorado a política de saneamento. Segundo Guti, Guarulhos deve fechar 2020 com 40% do esgoto tratado. Hoje, o total é de 15%. O historiador Elton de Oliveira, 59, viu a melhoria na distribuição de água no bairro do Taboão, onde vive há 25 anos. Porém, diz que resta resolver os alagamentos na praça 8 de dezembro, entroncamento de várias vias da região. "Não precisa muita chuva para acontecer [alagamento]. A última vez foi em junho", diz. Segundo ele, os comerciantes precisaram adicionar comportas para tentar conter as enchentes --problema que se agravou na década de 1980, com o processo de impermeabilização da cidade. Até o final do ano, a prefeitura estima concluir uma obra de drenagem no Taboão e o recapeamento de asfalto numa área de 18 mil m² para tentar resolver o problema. A 4 km dali, no bairro Cidade Serodio, próximo ao aeroporto de Cumbica, a auxiliar de enfermagem aposentada Aparecida Alves, 60, diz também conviver com alagamentos há duas décadas. "Quando comprei o terreno, não tinha enchente. Depois, fizeram muita construção, estacionamentos, e quando chove, alaga. Na minha casa já entrou água umas cinco vezes." Na primeira semana do mês, Guti disse ter fechado o apoio da Corporação Andina de Fomento --instituição internacional multilateral de desenvolvimento-- para investir R$ 516 milhões na macrodrenagem do rio Baquirivu-Guaçu. A obra, segundo ele, deve impactar 300 mil pessoas. Além da questão da água, outro gargalo local é a mobilidade. O diretor do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de Guarulhos, Maurício Colin, diz que esse é um problema que afeta o deslocamento de funcionários e a logística das empresas. "O caos de Guarulhos se chama trevo de Bonsucesso. Há carros que ficam duas horas para rodar 1,5 km", diz. O trevo liga os dois bairros mais populosos do município, Pimentas e Bonsucesso, cortados pela rodovia Presidente Dutra. Iniciada em 2014, na gestão do petista Sebastião Almeida como extensão de um projeto do governo de Pietá, a obra ainda não foi concluída. Emerson conta que, em dias de trânsito e chuva, o trajeto de ônibus pelo local chega a levar 1 hora e meia. Em dias sem trânsito, 30 minutos. "Como não houve obras de infraestrutura importantes nos últimos seis anos, as coisas se complicaram em todas as grandes regiões", afirma Pietá. Ele diz ter a área como uma de suas prioridades. O transporte público é motivo de queixa dos eleitores. Moradora do Cecap, a executiva de contas Gisele Trevas, 41, classifica o serviço como péssimo, pelo intervalo entre as linhas e lotação. Antes da pandemia, para se deslocar até a Vila Mariana (zona sul de São Paulo), onde trabalha, ela usava uma linha expressa da EMTU até o Tietê --trajeto mais rápido do que pela linha da CPTM, aberta em 2018, que não atende aos bairros mais populosos e não para no terminal do aeroporto. Com a pandemia, porém, três linhas que ligavam o Cecap à capital paulista foram retiradas. Após um abaixo-assinado, apenas uma voltou, mas operando num trajeto mais longo, com veículos cheios, segundo Gisele. Com isso, a guarulhense conta que tem recorrido ao aplicativo para conseguir levar os pais idosos ao médico na capital. Fran Corrêa critica a cobrança de valores diferentes de usuários com cartão (tarifa de R$4,45) e no dinheiro (R$4,70). Ela promete rever contratos das empresas. Para Pietá, é preciso integrar o sistema local ao metropolitano e assim resolver o problema da sobreposição de linhas. "Vamos fazer um esforço para o governo do estado para mudar isso. Não tem sentido ter os dois sistemas não se conversando", diz.

  • Folhapress

    Outlet perto do aeroporto de Guarulhos abre com 90 lojas, minifazenda e espaço de lazer

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A gestora de investimentos Iron Capital inaugurou na sexta-feira (4), em Guarulhos, o Smart Outlets, um shopping com 90 lojas, 30 quiosques e 2 parques temáticos. Baseado no modelo americano de centros de compras com produtos em desconto, o empreendimento recebeu investimento de R$ 200 milhões da gestora para sua construção. O Smart Outlets está localizado no quilômetro 214 da rodovia Presidente Dutra, a cerca de dez minutos do aeroporto internacional de Guarulhos e a 25 minutos do centro da capital paulista. Entre as marcas presentes no shopping estão Carmen Steffens, BobStore, Siberian & Crawford, Ellus, Empório Naka, Tramontina, ChilliBeans, Polo Play e TNG. Segundo a superintendente Estefânia Barbosa, as marcas terão descontos de 30% a 80% em seus produtos. O espaço também conta com praça de alimentação e dois parques temáticos -uma minifazenda com cerca de 400 animais e outro espaço de entretenimento com paintball, kart, escape, realidade virtual, airsoft e salão de festas. Hoje, a área locável ocupa 10% do total de 200 mil metros quadrados do terreno, mas a ideia é que em três anos esse espaço mais que triplique, chegando a 70 mil metros quadrados. A estimativa é que o empreendimento da Iron Capital crie 2.500 empregos diretos e indiretos. Segundo o sócio-diretor da Iron Capital Diogo Valle, a escolha do local se deu pelo fato de a região ser bastante populosa, mas não possuir um complexo de compras semelhante. "Vamos atender os consumidores da capital, em especial, da zona leste, Guarulhos, Arujá, além de São José dos Campos e demais cidades do Vale do Paraíba, num total de 200 cidades", disse o empresário, em nota divulgada à imprensa. Para quem está no aeroporto, a empresa deixará um sistema de vans disponível para transportar clientes até o shopping. O Smart Outlets conta com 2.250 vagas de estacionamento. Devido à pandemia, o horário de funcionamento do Smart Outlets será das 12h às 20h, de segunda a domingo.

  • Folhapress

    Projeto trava em Brasília e ligação de trem a Cumbica deve atrasar de novo

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As obras deveriam ter começando há um ano para que a nova ligação entre o aeroporto de Guarulhos e a estação de trem mais próxima fosse entregue em maio do ano que vem, conforme prometido pelo governador João Doria (PSDB) no ano passado. Mas o projeto travou em Brasília e não há nem prazo para sair do papel, em um novo atraso da novela que se arrasta há quase duas décadas. O projeto de ligação do trem para Cumbica dependia de uma negociação entre a concessionária do Aeroporto (GRU Airport, controlada pela Invepar) e o governo federal, dono do contrato, articulação que foi encampada por Doria desde o início de seu governo. Quando anunciou o "people mover", monotrilho leve que ligaria a estação Aeroporto-Guarulhos, da CPTM (empresa de trens urbanos), de fato ao aeroporto, o governador afirmou que as obras começariam em setembro de 2019. Um ano depois, o Ministério da Infraestrutura, que concedeu a administração do aeroporto em 2012 à concessionária GRU Airport e precisa aprovar a obra, diz a reportagem que "o processo [de aprovação dos projetos apresentados ao governo federal] segue em tramitação, havendo necessidade de análise, por diferentes instâncias, da documentação relativa à proposta e quanto à comprovação do interesse público do projeto." "Ao mesmo tempo, seguem as tratativas da Anac [Agência Nacional de Aviação Civil] com a concessionária sobre as condições do investimento no contrato de concessão", diz o governo federal. Em 2002, ano de eleição, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), em seu primeiro mandato, assinou um convênio com a Infraero para implementar a linha de trem que ligaria a capital a Guarulhos. A promessa era de que as obras começariam em 2003 e ficariam prontas até 2005. A obra atrasou e, em 2012, o projeto da estação mudou. Se antes deixaria os passageiros na entrada do terminal 2 do aeroporto, a nova estação passou para o outro lado da rodovia Hélio Smidt, a mais de 2 km de distância, demandando que quem desembarca lá pegue um ônibus para chegar aos terminais de check-in. O impasse se deu porque, naquele ano, o aeroporto foi concedido pelo governo Dilma Rousseff (PT) à iniciativa privada e a nova concessionária, a GRU Airport, disse que pretendia usar parte do terreno para a construção de um empreendimento, que poderia ser um hotel ou um shopping, o que inviabilizou a construção da estação de trem. Para compensar a ausência da estação de trem dentro de Cumbica, a GRU Airport se comprometeu então a fazer um meio alternativo de ligação entre o trem entregue pelo governo do estado, que hoje é feito por linhas de ônibus. Com a crise econômica a partir de 2014, a concessionária não fez o seu empreendimento e nem avançou a ideia das estações dentro do aeroporto, alegando que esses não eram compromissos contratuais. Quando assumiu o governo, João Doria chegou a chamar de bizarra a desconexão entre a estação de trem e o aeroporto. "Não faz sentido transporte público que não leva até o aeroporto. É tão bizarro que é difícil acreditar que isso tenha sido feito no estado de São Paulo", disse. A gestão encampou a ideia de um "people mover", um monotrilho leve que levaria os passageiros da estação de trem até as portas dos terminais, que seria tocado pela concessionária do aeroporto ao custo de R$ 175 milhões, em troca da redução da outorga anual que a GRU Airport paga ao governo federal. Ou seja, embora as empresas que farão a obra e a operação sejam escolhidas pela GRU, o governo federal é que deixa de arrecadar para que o monotrilho exista. Questionada sobre o novo atraso, a GRU diz apenas que analisou as propostas recebidas e as encaminhou ao governo federal, sem dar detalhes nem novos prazos. O governo estadual diz que "a responsabilidade pela construção do 'people mover', que vai interligar a Linha 13 ao saguão de passageiros do Aeroporto de Guarulhos, é da concessionária GRU Airport e da Anac". Pelo modelo proposto, o passageiro que chegar à estação Aeroporto da CPTM atravessará uma passarela já existente e embarcará no monotrilho leve. O veículo terá três paradas, uma em cada um dos terminais do aeroporto. Segundo o mapa apresentado pelos governos federal e estadual, a estação diante do Terminal 1 deverá ficar na área onde hoje ocorre o embarque e desembarque de carros. No Terminal 2, a parada deverá ser entre as alas A e B. No terminal 3, internacional, a estação deve ficar próxima ao prédio do estacionamento do aeroporto. Governo termina obra em Congonhas e libera aeronaves de grande porte Após um mês de obras de recapeamento na pista principal do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, aeronaves de grande porte poderão voltar a fazer pousos e decolagens no local a partir deste domingo (6). O governo federal aproveitou a redução da demanda dos aeroportos durante a pandemia da Covid-19 para fazer a obra, que custou R$ 11,5 milhões. A reforma aumentou a capacidade de drenagem da pista, facilitando o escoamento da água da chuva e permitindo mais aderência aos pneus das aeronaves. A primeira aeronave de grande porte a pousar lá deve chegar no voo 3009, entre Belo Horizonte e São Paulo, marcado para as 10h05 de domingo. Em junho, o governo Doria também concluiu no aeroporto o túnel que ligará o terminal à futura estação Congonhas, do monotrilho da linha 17-ouro do Metrô. No último sábado (30), no entanto, o Metrô rompeu um dos contratos da construção da linha, o que deve atrasar ainda mais sua conclusão, hoje prevista para 2022.

  • Agência Brasil

    Movimento em Guarulhos cresce, mas é 80% menor que em 2019

    O Aeroporto Internacional de Guarulhos, no estado de São Paulo, retomou parte da movimentação em julho, no entanto, os 737,2 mil passageiros que embarcaram ou chegaram pelo terminal representam apenas 19,5% do fluxo do mesmo mês de 2019. Em número de voos, as 7,2 mil aterrissagens e decolagens realizadas em Guarulhos em julho representam 28,8% do tráfego aéreo no aeroporto no mesmo mês do ano passado.No ano, de janeiro a julho, por causa da pandemia, o aeroporto teve uma queda de mais de 50% no número de passageiros. Foram 24,3 milhões nos sete primeiros meses de 2019, enquanto em 2020 embarcaram e desembarcaram 12 milhões. Em número de voos, a retração é semelhante. Foram 89,3 mil ao longo deste ano, o que representa 53,5% dos 166,8 mil aterrissagens e decolagens realizadas no mesmo período de 2019.A redução é maior em relação aos passageiros internacionais. Saíram ou chegaram pelo aeroporto 3,3 milhões neste ano, o equivalente a 38% dos 8,7 milhões de passageiros internacionais que passaram pelo aeroporto nos primeiros sete meses de 2019. Os passageiros nacionais somam neste ano 8,6 milhões, o que representa 55,6% dos 15,6 milhões registrados no mesmo período do ano passado. CrescimentoApesar da queda ainda ser expressiva, julho apresentou um aumento de 69,1% no número de passageiros em comparação com junho. O fluxo vem tendo uma recuperação gradual desde abril, quando o aeroporto teve o pior mês do ano, com 279,4 mil passageiros, o equivalente 8,2% do movimento de abril de 2019.Concessionária que administra o terminal, a GRU Airport afirma que está preparada para receber o aumento do número de voos e passageiros nos próximos meses, de acordo com as orientações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Foram afixadas sinalizações que alertam para o distanciamento social e o uso de máscaras faciais. O aeroporto ganhou 70 pontos com álcool em gel e está sendo feito controle de temperatura nos controles de acesso ao embarque.Atualmente, saem regularmente de Guarulhos 19 voos com destinos fora do Brasil: Addis Ababa (Etiópia), Amsterdã (Holanda), Assunção (Paraguai) , Atlanta (Estados Unidos), Buenos Aires (Argentina), Cidade do México (México), Doha (Catar), Dubai (Emirados Árabes), Frankfurt (Alemanha), Houston (Estados Unidos), Lisboa (Portugal), Londres (Inglaterra), Madrid (Espanha), Miami (Estados Unidos), Montevidéu (Uruguai), Newark (Estados Unidos), Paris (França), Santa Cruz de La Sierra (Bolívia), Santiago (Chile) e Zurique (Suíça).Ouça a Rádioagência Nacional:

  • Agência Brasil

    Polícia prende homem suspeito roubo de ouro no aeroporto de Guarulhos

    A Polícia Civil capturou um dos envolvidos no roubo de mais de 700 quilos de ouro ocorrido no aeroporto de Guarulhos, em 25 de julho do ano passado. Ele foi detido no bairro Jardim Alice, na cidade de Ferraz de Vasconcelos (SP). As informações são da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP).A prisão foi realizada na tarde de ontem (19), por agentes da 2ª Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise), do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc), que realizavam diligências relacionadas ao tráfico de drogas quando o encontraram.Segundo a SSP, o suspeito, de 52 anos, deu inicialmente um nome falso, mas logo foi identificado como um dos criminosos mais procurados de São Paulo. Havia um mandado de prisão contra ele relacionado ao roubo, além de ordem judicial referente ao comércio de drogas.Após a captura, ele foi conduzido à sede do Denarc, onde os fatos foram registrados. Ele foi recolhido ao Centro de Detenção Provisório (CDP) Belém 1 e as investigações prosseguem em caráter sigiloso, por meio do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic

  • Folhapress

    Polícia resgata 60 gatos abandonados dentro de uma casa em Guarulhos

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Policiais militares resgataram 60 gatos, neste domingo (16), deixados sozinhos dentro de um sobrado em Guarulhos (Grande SP). O proprietário do imóvel está ausente do local há quase cinco meses, de acordo com vizinhos, após se mudar para o litoral paulista. Imagens feitas com celular mostram o interior do imóvel, localizado no bairro Vila Augusta, tomado por fezes dos bichos, que circulam pela casa em meio também à ração, deixada em grande quantidade espalhada pelo chão, onde também estão sacos vazios com do alimento. Ambos os andares da casa estavam nestas condições, ocupados por dezenas de gatos, em alguns casos feridos. Uma veterinária de 39 anos e uma analista de 29 entraram na casa e ficaram impressionadas com a sujeira e condições insalubres em que os animais estavam, ainda de acordo com as imagens. Ambas testemunharam contra o dono do imóvel, registrando um boletim de ocorrência sobre a situação. O abandono dos gatos veio à tona após ser denunciado pela vizinhança, incomodada com o mau cheiro proveniente da casa. As pessoas também se preocupavam com as condições insalubres em que os animais estavam, deixados à própria sorte. As redes sociais foram usadas para denunciar a situação e, nelas, o dono da casa se manifestou, segundo a polícia, afirmando cuidar dos bichos. A defesa dele não foi encontrada até a publicação desta reportagem. Neste domingo, ativistas de proteção animal acionaram a PM que o não encontrar ninguém na casa, teve que arrombar o o local. Os agentes de segurança constataram a situação de maus tratos após entrar na casa. Ao todo, foram resgatados 60 gatos, que foram acolhidos pela ONG Lar da Regina, de Guarulhos, onde serão cuidados e olocados para adoção. O caso foi registrado no 2º DP da cidade como crime de maus tratos a animais.

  • LANCE!

    Torcida do São Paulo protesta no aeroporto de Guarulhos e pede saídas de Fernando Diniz e Raí

    Após derrota no Rio de Janeiro, delegação do Tricolor desembarcou no Aeroporto de Guarulhos com protesto de torcedores organizados

  • Folhapress

    Comissários da Latam fazem protesto em Guarulhos contra demissões

    Após impasse nas negociações com o SNA (Sindicato dos Aeronautas), a empresa comunicou que vai demitir ao menos 2.700 tripulantes

  • Reuters

    Tráfego de passageiros no aeroporto de Guarulhos desaba 88% no 2º tri

    Integrante do consórcio que administra do terminal, o maior do país, a Invepar informou ainda que em junho o movimento de passageiros foi 35% maior do que em maio, mas insuficiente para evitar uma queda de 86% no comparativo com junho de 2019.De abril a junho, o transporte de cargas pelo aeroporto foi 52% menor ano a ano.

COMPARTILHE ESTA PÁGINA