Assunto

Paraná PR | Últimas noticias do estado

  • Reuters

    Plantio de soja no Paraná atinge 3% da área; ritmo é lento com escassez de chuva

    SÃO PAULO (Reuters) - O plantio de soja no Paraná havia atingido 3% da área projetada até a segunda-feira, percentual que marca um início atrasado dos trabalhos da safra 2020/21 no segundo produtor brasileiro da oleaginosa devido a chuvas escassas, informou o Departamento de Economia Rural (Deral) nesta terça-feira.Na temporada passada, o Paraná tinha semeado 10% da área até 30 de setembro.

  • Folhapress

    Tribunal do PR arquiva investigação contra juíza que citou raça em sentença

    CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - A Corregedoria-Geral do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) decidiu, nesta segunda-feira (28), arquivar a reclamação disciplinar contra a juíza Inês Marchalek Zarpelon, da 1ª Vara Criminal de Curitiba, acusada de racismo por ter associado um réu negro a uma organização criminosa "em razão de sua raça". Por unanimidade, os desembargadores do Órgão Especial do TJPR seguiram o voto do relator do caso, desembargador José Augusto Gomes Aniceto. Ele concluiu que não houve intenção discriminatória ou racista por parte da magistrada. Na sentença, do dia 19 de junho, Inês escreveu que Natan Vieira da Paz, um homem negro de 48 anos, "seguramente" integrava a organização, "em razão de sua raça". A frase foi repetida em três partes do documento de 115 páginas. A decisão ganhou repercussão com a revolta da advogada do réu, Thayse Pozzobon, que compartilhou o caso nas redes sociais. Os desembargadores avaliaram que tudo não passou de um erro de português e de interpretação da sentença, tal como alegou a defesa da juíza em sustentação nesta segunda. No trecho destacado por Thayse, consta que Inês escreveu que Natan "seria seguramente integrante do grupo criminoso, em razão de sua raça, agia de forma extremamente discreta os delitos e seu comportamento". Francisco Zardo, defensor da juíza, afirmou que o trecho em questão se refere ao que se escreveu depois, e não antes, da frase. Ou seja, que Inês citou o fator raça para descrever a conduta discreta que ele mantinha para cometer os crimes em grupo, remetendo a conclusões de depoimentos, imagens de câmeras de segurança e outras provas colhidas durante a investigação. Zardo citou ainda outras partes da sentença em que se constatou que o próprio grupo criminoso, composto por outras seis pessoas, utilizava características físicas de cada integrante para enganar vítimas e praticar furtos e roubos no centro de Curitiba. Segundo o advogado, as provas colhidas no processo comprovaram a forma de atuar do grupo: um dos integrantes da organização empurrava ou abraçava a vítima enquanto outro recolhia seus pertences e um terceiro jogava uma jaqueta por cima dos comparsas para evitar a identificação dos criminosos. Por ser "magro e negro" e "de fácil reconhecimento", Natan atuaria nessa última fase, para acobertar os demais. Além da interpretação do próprio texto e de outros elementos da sentença, os desembargadores levaram em consideração que as penas impostas pela juíza a Natan e aos outros seis réus foram parecidas e que apenas atenderam às circunstâncias do crime e às características dos acusados, não havendo distinção de raça e cor entre eles. Ao final da sustentação, Zardo citou que Inês confiava no julgamento do TJ-PR, apesar de ter sofrido "graves ofensas à sua honra" desde a divulgação do caso pela imprensa. No relatório final, que ainda será submetido ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o desembargador Aniceto, que é negro, destacou que a questão deveria ser decidida com "bom senso, isenção e equilíbrio" e que insinuações não seriam levadas em consideração. "Em momento nenhum a cor da pele do condenado foi utilizada como elemento de convicção para a condenação ou para a conclusão de o mesmo integrar o grupo criminoso", observou. Ao proferirem os votos, alguns desembargadores criticaram duramente a repercussão do caso e a atuação de jornalistas por terem divulgado os fatos de maneira distorcida. Um dos julgadores sugeriu que Inês cobre reparação de danos e uma posição da OAB-PR (Ordem dos Advogados do Brasil) sobre a conduta da advogada de Natan e do próprio presidente da entidade, Cássio Telles. Em entrevista à reportagem, ele disse que a juíza havia cometido um erro gravíssimo. Um dos desembargadores criticou ainda a postura do Senado Federal, que na ocasião divulgou nota de repúdio contra a magistrada. Em geral, os desembargadores também exaltaram a carreira da juíza, que tem cerca de 25 anos de magistratura. Alguns citaram ainda que foram colegas de trabalho do marido dela, o desembargador Luiz Zarpelon, que morreu há pouco mais de um ano. Entre os mais críticos, o desembargador Clayton Coutinho de Camargo defendeu uma lei de imprensa com penas duras para veículos que "distorcem e exacerbam" acusações. "Nunca tive medo de jornalista, a magistratura não tem que ter medo, a imprensa é o quarto Poder para quem a coloca como quarto Poder. [...] Imprensa livre não significa que se possa publicar o que se bem entende, não significa que se possa denegrir a imagem de alguém que está em evidência. [...] Como diz a nobre ministra, 'cala a boca já morreu', o 'cala a boca não morreu, não', porque a mídia está exacerbando acusações equivocadas, para não dizer que houve má-fé, porque sabe que a punição é mínima", discursou, citando a fala da ministra Cármem Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), ao liberar biografias não autorizadas. Procurada pela reportagem, a advogada Thayse Pozzobon não quis se manifestar sobre o resultado do julgamento. A OAB-PR não respondeu aos questionamentos da reportagem.

  • Folhapress

    Em primeiro dia de campanha, prefeito de Curitiba é internado com Covid-19

    CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), e a esposa dele, Margarita Sansone, foram internados em um hospital da capital nesse domingo (27) com um quadro de pneumonia causada pela Covid-19. Em uma publicação nas redes sociais ainda no domingo, o prefeito, candidato à reeleição na capital, afirmou que ele e a esposa passavam bem e que foram diagnosticados com a Covid-19. Ele disse estar seguindo o isolamento domiciliar durante a pandemia. Segundo o último boletim médico divulgado pelo Hospital Nossa Senhora das Graças, nesta segunda-feira (28), eles apresentaram "boa evolução clínica com as medidas terapêuticas instituídas", está sem febre e permanece internado no quarto. O boletim informou ainda que Greca, que tem 64 anos, está respirando normalmente e apresentou "bons" resultados em exames laboratoriais, enquanto Margarita está fazendo uso de oxigênio nasal e apresenta resultados "estáveis" nos testes. Na sexta-feira (25), o prefeito divulgou um vídeo em que afirmou que não irá ao debate promovido pela TV Band, na quinta-feira (1º), alegando que o local do programa e os protocolos utilizados pela emissora não estariam de "acordo com as normas de segurança sanitária de prevenção à Covid-19". A Band rebateu a afirmação e, em nota, informou que o debate está sendo organizado conforme as regras de distanciamento social exigidas pela prefeitura. A emissora ressaltou ainda que a assessoria do prefeito não reclamou das circunstâncias do programa e também não apresentou alternativas às condições apresentadas em reuniões prévias. A prefeitura da capital instituiu três bandeiras (amarela, laranja e vermelha) que definem as regras de funcionamento do comércio e serviços em atenção à pandemia do novo coronavírus. Na sexta-feira (25), a administração decidiu relaxar nas medidas, passando do estágio laranja para o amarelo. A decisão é baseada em diversos fatores que envolvem a pandemia, como taxa de contágio, mortes e ocupação de UTIs públicas, que nesta segunda está em 78% na cidade. Nos dois últimos dias, foram 352 novos infectados e 11 mortos pela doença na capital, somando 1.266 óbitos e 43.495 casos confirmados desde março.

  • Agência Brasil

    Polícia Federal apreende 254 quilos de cocaína no Porto de Paranaguá

    A Polícia Federal (PF) e a Receita Federal, em ação conjunta, apreenderam 254 quilos de cocaína no Porto de Paranaguá, no Paraná.A droga foi localizada em operação de rotina com a utilização de escâner, nesse sábado (26).Segundo a PF, o método utilizado pelos criminosos foi o ripon ripoff, em que a droga é colocada no contêiner sem o conhecimento do exportador.Os fardos de cocaína estavam em um contêiner de bobinas de papel que teria como destino o porto de Algeciras na Espanha.A droga foi encaminhada para a Policia Federal, em Paranaguá, que continuará com a investigação para identificar e prender os traficantes.

  • Canaltech

    Meteorito encontrado em Curitiba há 43 anos será analisado agora por cientistas

    Um meteorito do tipo condrito, guardado dentro da casa de uma família em Curitiba por todo esse tempo, foi finalmente enviado a pesquisadores da Universidade Federal do Paraná. A rocha espacial tem 1 kg e já está sendo analisada por cientistas

  • Reuters

    Paraná reduz projeções para safras de cereais 2019/20; mantém soja 2020/21

    SÃO PAULO (Reuters) - A produção de trigo do Paraná deve alcançar 3,32 milhões de toneladas em 2020, estimou o Departamento de Economia Rural (Deral) nesta quinta-feira, com leve queda ante os 3,47 milhões de toneladas projetados no fim do mês passado na esteira de adversidades climáticas ocorridas desde agosto."Houve tanto o problema das geadas em agosto, quanto da seca em setembro", disse o analista do Deral Carlos Hugo Godinho sobre os fatores que motivaram o ajuste na projeção para o trigo.

  • Yahoo Notícias

    36 presos com Covid-19 fogem por buraco em cadeia no Paraná

    Testagem em massa na penitenciária aconteceu na semana passada. Presos e funcionários foram testado e 118 dos 122 presos testaram positivo para a doença

  • Folhapress

    Traficante Elias Maluco é encontrado morto em presídio federal no PR

    CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - O traficante Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, foi encontrado morto em sua cela na Penitenciária Federal de Catanduvas, oeste do Paraná, na tarde desta terça-feira (22). O Depen (Departamento Penitenciário Nacional) confirmou a informação da morte do traficante, mas não deu mais detalhes sobre as circunstâncias do caso. Segundo o órgão, o local foi preservado até a chegada da Polícia Federal, acionada para fazer a perícia. A família já foi comunicada da morte pelo serviço social da unidade prisional, de acordo com o Depen. "O Depen informa, ainda, que preza pelo irrestrito cumprimento da Lei de Execução Penal e que todas as assistências previstas no normativo são garantidas aos privados de liberdade que se encontram custodiados no Sistema Penitenciário Federal", completou o órgão em nota. Elias foi condenado em quatro processos distintos, um deles pela morte do jornalista Tim Lopes, sobre a qual cumpria pena de 28 anos e seis meses de prisão. Ele ainda respondia por tráfico de drogas e associação para o tráfico, além de lavagem de dinheiro.

  • Yahoo Notícias

    Elias Maluco é encontrado morto em penitenciária no Paraná

    Preso desde 2002, traficante foi condenado quatro vezes pela Justiça, com penas somando mais de 50 anos; causa ainda não foi informada

  • Reuters

    Paraná atrasa plantio de milho, aguarda chuva para soja e adianta colheita de trigo

    SÃO PAULO (Reuters) - O plantio de milho primeira safra 2020/21 do Paraná alcançou 34% da área estimada, abrindo um atraso ante os 39% registrados no mesmo período do ano anterior, enquanto produtores de soja ainda aguardam chuvas favoráveis para dar início à semeadura, informou o Departamento de Economia Rural (Deral) nesta terça-feira. Na variação semanal, no entanto, o plantio de milho avançou 10 pontos percentuais no Estado.

COMPARTILHE ESTA PÁGINA