Assunto

Ribeirão Preto | Últimas notícias do interior de SP

  • Folhapress

    No início da imunização em Ribeirão Preto, Doria critica Bolsonaro e pergunta onde está a vacina de Oxford

    RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), fez uma série de ataques ao governo federal e ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nesta terça-feira (19), quando participou do ato que marcou o início da vacinação para Covid-19 em Ribeirão Preto (315 km da capital). Doria criticou o fato de o presidente ter colocado em dúvida a qualidade e eficácia do imunizante produzido pelo Instituto Butantan em diferentes ocasiões e lembrou que, até o momento, esta é a única vacina disponível no Brasil para vacinação contra Covid-19 -o governo federal negocia a importação de 2 milhões de doses da Oxford/AstraZeneca da Índia. "Onde estão as outras vacinas? Será que mais uma vez, além de falta de seringas, agulhas, falta de logística, testes desperdiçados com prazo vencido... Até quando vamos ter a incompetência do governo federal diante de uma pandemia que já levou a vida de mais de 215 mil brasileiros?", questionou. Doria ainda fez declaração de apoio à Fiocruz, instituição parceira no desenvolvimento da vacina Oxford/AstraZeneca, que também foi aprovada pela Anvisa neste domingo (17), mas cobrou o governo federal sobre a aquisição da vacina. "Nós temos muito respeito pela Fiocruz e seus cientistas. Agora eu pergunto ao Ministério da Saúde: onde está a vacina da AstraZeneca? [...] O ministério nem considerava termos a vacina do Butantan, e hoje é a vacina do Butantan que está vacinando profissionais de saúde em todo o Brasil. Mas eu volto a perguntar ao presidente Jair Bolsonaro: onde estão as vacinas da AstraZeneca?", disse. O governador ainda cobrou que o presidente trabalhe com compaixão, respeito pela medicina, pela saúde e pela vida. "Respeite a vida, presidente. Respeite os brasileiros", disse. O presidente do Butantan, Dimas Covas, falou sobre o represamento de insumos que vêm da China para a produção das vacinas e destacou que se trata de um atraso burocrático. Na segunda-feira (18), o instituto renovou um pedido de agilidade para o envio dos insumos. "Essa demora com relação à vinda dessa matéria-prima eu espero que fique agilizada agora, com a aprovação do uso emergencial [da Coronavac] pela Anvisa. Até o último domingo (17) a vacina era o inimigo número um do presidente, e a China também", afimou Covas. O diretor do Butantan ainda cobrou um maior envolvimento do governo federal para ajudar a liberar os insumos para a produção da vacina. "Se a vacina agora é do Brasil [como afirmou Bolsonaro], que o nosso presidente tenha a dignidade de defendê-la e de solicitar apoio ao seu ministério de Relações Exteriores na conversa com o governo da China. É o que nós esperamos", disse. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-R) marcou uma audiência com o embaixador da China, Yang Wanming, para falar sobre o atraso no envio de insumos para a fabricação de vacinas no Brasil. A vacinação contra Covid-19 começou em Ribeirão Preto com a imunização dos profissionais de saúde do Hospital das Clínicas da USP. A primeira a receber a dose da vacina Coronavac foi a técnica em enfermagem Maria Luci dos Santos, 44, que trabalha há três anos no hospital. "Estou muito feliz e confiante de que é uma porta que está se abrindo para a liberdade, para que as pessoas possam sair de casa para ver seus entes, passear, se abraçar. Isso não tem preço, liberdade", afirmou Maria, há nove meses longe da família devido ao trabalho na linha de frente no combate à Covid-19. As 6.520 doses de Coronavac entregues em Ribeirão Preto serão direcionadas aos mais de 3.000 profissionais de saúde do HC. Já a imunização dos demais profissionais de saúde do município deve ocorrer assim que as outras doses da vacina chegarem à cidade, o que deve ocorrer ainda nesta terça.

  • Agência Brasil

    Live sobre Folia de Reis abre programação do Museu do Pontal no Rio

    O Museu do Pontal retoma hoje (18), às 17h, as lives de arte e cultura popular, com a Jornada da Folia de Reis na cidade do Rio de Janeiro e em Caxias, no Maranhão. O evento abre a programação anual da instituição, cujos encontros são gratuitos e abertos ao público. Para participar, basta acessar o canal do museu no YouTube. O evento terá ainda a presença de pesquisadores e foliões. O objetivo do museu é realizar debates que mostrem a riqueza e a diversidade do país. Segundo o diretor executivo da instituição, Lucas Van de Beuque, no ano passado,por causa da pandemia, o museu reagiu ao momento como outros espaços culturais, fazendo programações em redes sociais, uma vez que não podia receber o público no local dos eventos. Em entrevista à Agência Brasil, Van de Beuque disse ter percebido, então, uma grande oportunidade de colocar em conversa, em diálogo, manifestações de um canto e de outro do país, como a de hoje com a Folia de Reis Penitentes do Santa Marta com um grupo de reisado maranhense. Ele explicou que seria difícil o museu trazer pessoas de fora do Rio para promover tais diálogos e que, com a apresentação virtual, será possível realizar os encontros. “Sabemos da importância da cultura popular, tanto urbana quanto rural, [com manifestações que] ocorrem no Brasil todo e percebemos que era uma grande oportunidade para pessoas de todo o Brasil todo e de outros países verem esses encontros.” O diretor do museu disse que tais seminários e diálogos já estavam sendo realizados, embora fossem restritos e locais. “A possibilidade de fazer agora os diálogos com essas trocas é muito especial”, afirmou. Lucas Van de Beuque destacou que, ao assistir às apresentações ao vivo pelo canal do museu, o público poderá fazer perguntas. Para os que não puderem acompanhar as lives, as apresentações ficarão disponíveis no YouTube. “A ideia é fazer uma [live] por mês. Ainda não temos a programação completa, mas a próxima, no mês que vem, será o samba e a de março, o jongo.” Van de Beuque ressaltou que os primeiros encontros enfocarão manifestações em que o Rio tem força, mas com diálogo com outros estados que também tenham. A partir de abril, o Rio de Janeiro não será mais a referência e haverá diálogos com outras regiões relevantes. A cada mês, as lives ocorrerão sempre em uma segunda-feira, às 17h. “Esta já foi a data nas lives do ano passado, e a sequência será nesse formato.” Para Juninho, mestre palhaço da Folia de Reis Penitentes do Santa Marta, no Rio de Janeiro, o evento é uma oportunidade de divulgar mais a arte do grupo em um ano difícil para a cultura, por causa da pandemia da covid-19. “Estamos felizes com o convite do museu para levar nossa jornada para a internet. Tivemos um ano muito difícil, perdemos o mestre Riquinho há poucos meses e devemos a ele a continuidade da nossa folia, mesmo com a pandemia.” Apoio O projeto foi contemplado pelo edital Fomento a Todas as Artes, da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, com recursos da Lei Aldir Blanc, e conta com patrocínio da Vale, do Itaú e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

  • O Globo

    Moradores da Barrinha se unem contra nova escola

    Eles dizem que trânsito local não suportaria uma 13ª unidade de ensino

  • O Globo

    Obras da nova sede do Museu do Pontal já estão 90% prontas

    Equipamento cultural será reinaugurado entre abril e junho de 2021; serviço gratuito de vans levará público à estação de BRT

  • Zoomin.TV

    Delícias de Natal: Barrinhas Festivas

    O Natal chegou! Alegre a sua mesa com essas deliciosas barrinhas festivas!

  • O Globo

    Museu do Pontal promove financiamento coletivo para custear jardim da nova sede, na Barra

    Doações têm valor mínimo de R$ 50, e campanha vaii até o fim deste mês

  • LANCE!

    Série B: Botafogo-SP e Náutico jogam em Ribeirão Preto no 'duelo de seis pontos'

    Alvirrubro e Pantera estão dentro da zona de rebaixamento onde apenas quatro pontos os separam

  • Folhapress

    Duarte Nogueira, do PSDB, é reeleito prefeito de Ribeirão Preto

    RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - O prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira (PSDB), 56, foi reeleito neste domingo (29) para um novo mandato à frente de uma das mais importantes cidades do interior paulista pelos próximos quatro anos. O atual prefeito, que está em sua quinta disputa pela prefeitura, recebeu 63,16% dos votos válidos. Ele derrotou no segundo turno a ex-reitora da USP (Universidade de São Paulo) Suely Vilela (PSB), com 36,84%. A campanha no interior foi marcada pela ausência da figura do governador João Doria (PSDB) até mesmo entre os favoritos. Depois de ter fechado o primeiro turno com 45,87% dos votos válidos (115.724), Nogueira ainda teve apoio da candidata Cris Bezerra (MDB), 52, que recebeu 7,06% dos votos (17.800) no primeiro turno e foi a quarta mais bem votada no último dia 15. Também declarou apoio ao tucano o engenheiro Emilson Roveri (Rede), 59, último colocado na disputa, com 0,22% dos votos válidos. A campanha do tucano foi baseada num slogan de que a cidade não pode parar e enfatizou obras como as de mobilidade urbana que estão em andamento, com a construção de pontes e viadutos no centro e na zona norte da cidade.Outros partidos que ficaram fora do segundo turno não declararam apoio a nenhum dos candidatos ou pediram que os eleitores anulassem o voto. O PT, que venceu a eleição duas vezes na cidade com o ex-ministro Antonio Palocci, disputou a eleição com o promotor aposentado Antônio Alberto Machado (PT), 62, e decidiu não declarar apoio a nenhuma candidatura. "Esse posicionamento é fruto do nosso irrenunciável compromisso de derrotar o golpe de 2016 e os representantes de Bolsonaro e Doria", diz trecho de comunicado do partido. Machado foi o sexto colocado na disputa, com 6,81% dos votos válidos (17.190, no total). Já o PSOL, que teve o professor Mauro Inácio, 51, como candidato e pela primeira vez obteve uma vaga na Câmara, orientou sua militância a anular o voto neste domingo. Inácio teve 1,23% dos votos válidos. Também disputaram as eleições deste ano em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) o ex-deputado federal Fernando Chiarelli (Patriota), 63, o militar reformado Luis Henrique Usai (PRTB), 56, e o advogado Vanderley Caixe Filho (PC do B), 43. Com a vitória, o PSDB chegará a 2024, quando terminará o novo mandato de Nogueira, tendo governado Ribeirão por 16 anos desde 1997, ano em que o partido estreou no poder com o ex-prefeito Luiz Roberto Jábali (1937-2004). Após a sua saída do cargo, o PT governou a cidade entre 2001 e 2004, primeiro com Palocci, que renunciou em 2002 para integrar o governo Lula, e depois com seu vice, Gilberto Maggioni.O PSDB voltou ao poder em 2005, com Welson Gasparini, que ficou no cargo até 2008, quando foi sucedido por Dárcy Vera. Ela governou até dezembro de 2016, quando foi afastada após a operação Sevandija. Dárcy foi condenada em primeira instância a 18 anos, 9 meses e 10 dias de reclusão, pena que foi aumentada no TJ (Tribunal de Justiça) para 26 anos, 1 mês e 3 dias. Sua defesa recorre da decisão. Nogueira já tinha disputado a prefeitura em 1992, 2000 e 2012, tendo perdido as duas primeiras para Palocci e a última, para Dárcy.Há quatro anos, o tucano foi eleito prefeito pela primeira vez à prefeitura ao bater o hoje deputado federal Ricardo Silva (PSB), 35, no segundo turno.Ricardo era visto como candidato natural de oposição ao tucano até seis meses atrás, quando assumiu vaga na Câmara que era ocupada por Luiz Lauro Filho, 41, que morreu em Campinas após uma parada cardíaca. Além da saída de Ricardo da disputa, a corrida eleitoral foi marcada por desistências em série, que mudaram o mapa da eleição mesmo após as convenções partidárias. O presidente da Câmara Municipal, Lincoln Fernandes (PDT), 41, anunciou a desistência dias depois de a convenção ter homologado seu nome, assim como o juiz aposentado João Gandini (MDB), 64. Ricardo e Gandini disputaram a eleição de 2016.Com a saída de Ricardo, o PSB optou pela ex-reitora da USP, que já tinha sido candidata a deputada estadual em 2018 pelo partido. Ela, que chegou a ser secretária da Educação de Nogueira em 2017, estava numa coligação com outros quatro partidos. Nogueira venceu outras seis eleições que disputou: foi deputado estadual três vezes (1994, 1998 e 2002) e federal outras três (2006, 2010 e 2014). Foi secretário da Habitação do ex-governador Mário Covas (1930-2001) e da Agricultura (2003-2006) e de Logística e Transporte (2015-2016) de Geraldo Alckmin (PSDB).A eleição deste ano em Ribeirão Preto teve recorde de candidaturas registradas no TSE, 11, mas três delas foram indeferidas pela Justiça Eleitoral. Uma foi revertida, a de Chiarelli, a dois dias do primeiro turno.

  • Folhapress

    Em Ribeirão Preto, Duarte Nogueira tem 61% dos votos válidos, e Suely Vilela, 39%, aponta Ibope

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O candidato Duarte Nogueira (PSDB) tem 61% dos votos válidos na disputa pela Prefeitura de Ribeirão Preto (SP), aponta pesquisa Ibope divulgada neste sábado (28). Já Suely Vilela (PSB) aparece com 39% dos votos válidos, que excluem brancos, nulos e indecisos. A margem de erro da pesquisa é de quatro pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança utilizado é de 95%. Em relação ao levantamento anterior, divulgado na segunda-feira (23), Nogueira oscilou positivamente nove pontos percentuais, e Vilela oscilou negativamente nove pontos. Considerando os votos totais, o candidato tucano tem 52% das intenções de voto, e Suely Vilela tem a preferência de 33%. Brancos e nulos somam 13%, e 3% não sabem ou preferem não responder. O Ibope ouviu 504 eleitores nos dias 27 e 28 de novembro. A pesquisa, encomendada pela EPTV, foi registrada na Justiça Eleitoral sob o número SP-09769/2020.

  • Agência Brasil

    Aposta de Ribeirão Preto acerta as seis dezenas da Mega-Sena

    Uma aposta de Ribeirão (SP) acertou as seis dezenas da Mega-Sena e vai receber o prêmio de R$ 76.128.023,58 milhões. O sorteio foi realizado no sábado (21), às 20h, no Espaço Loterias Caixa, localizado no Terminal Rodoviário Tietê, na cidade de São Paulo. As dezenas sorteadas no concurso 2320 foram as seguintes: 06 - 30 - 35 - 39 - 42- 48. A quina teve 92 apostas vencedoras e cada apostador receberá R$ 52.821,09. Na quadra, acertaram 6.334 apostas e cada uma receberá R$ 1.096,02. O próximo concurso está marcado para quarta-feira (25), e o prêmio, estimado em R$ 3 milhões, de acordo com a Caixa Econômica. As apostas para o próximo concurso podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) do dia do sorteio, nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa, em todo o país ou pela internet. O volante com seis dezenas marcadas custa R$ 4,50.