Assunto

Salvador | Últimas notícias da capital da baiana

  • Yahoo Vida e Estilo

    Fuja do básico: quatro lugares para visitar em Salvador

    A primeira capital do Brasil é um convite à admiração - seja para observar os prédios históricos, as paisagens paradisíacas ou cenários que trazem uma verdadeira imersão na memória brasileira

  • LANCE!

    Meninos da Vila não seguram o Bahia e o Peixe perde em Salvador

    Com golaço de Rossi no começo do jogo e um gol de Alesson aos 45 minutos da segunda etapa, o Bahia derrotou o Santos em Salvador na despedida do Campeonato Brasileiro

  • LANCE!

    De virada, time misto do Sport vence o Vera Cruz na abertura do Campeonato Pernambucano

    Após um primeiro tempo ruim, garotos do Leão voltaram com tudo no segundo tempo e viraram a partida em menos de 30 minutos

  • LANCE!

    Santos encerra preparação e terá um time de desfalques em Salvador

    Auxiliar Marcelo Fernandes terá à disposição um time recheado de garotos diante do Bahia

  • LANCE!

    Com Marcelo Fernandes, Santos inicia preparação para enfrentar o Bahia em Salvador

    Auxiliar técnico vai comandar o time na despedida do Campeonato Brasileiro

  • Extra

    Léo Santana e Lorena Improta se casam em cerimônia íntima em Salvador

    Léo Santana e Lorena Impronta se casaram na tarde deste sábado em Salvador. Juntos há quatro anos...

  • Folhapress

    Ford diz que não demitirá trabalhadores de Taubaté e Camaçari durante negociações

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Trabalhadores da Ford em Taubaté (SP) aprovaram nesta quinta-feira (18) um acordo que garante a manutenção de empregos, salários e benefícios enquanto a montadora estiver negociando com o sindicato da categoria. A Ford emprega 830 trabalhadores diretos na planta do interior de São Paulo. A proposta de acordo foi fechada no dia anterior, em audiência realizada por videoconferência pela Seção de Dissídios Coletivos do TRT-15 (Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, com sede em Campinas) em processo iniciado pela Ford, que foi à Justiça do Trabalho pedir conciliação. A montadora afirmou, no pedido, que os funcionários eram convocados ao trabalho, mas não compareciam. Para a Ford, a resistência equivalia a existência de uma greve, que era abusiva. Pelo acordo, quem for chamado vai se apresentar para trabalhar na próxima segunda (22), no turno das 6h. Um cronograma para o próximo mês também será fixado. Desde 11 de janeiro, dia em que anunciou o fechamento imediato das fábricas no Brasil -além da unidade no interior de São Paulo, encerrou também a de Camaçari (BA)-, a montadora não fez demissões. Na Justiça do Trabalho da Bahia, o acordo foi fechado nesta quinta e prevê um período de 90 dias de negociações. No pedido de dissídio apresentado ao TRT-15, a Ford diz que "pretende ajustar com o sindicato um plano de demissão incentivada que contemple um pacote de indenização e benefícios". Em Taubaté, a fábrica produzia motores e transmissões. A empresa já previa a necessidade de retomar a linha de produção para atender a manutenção de estoque, mas havia resistência por parte dos funcionários. No acordo fechado na quarta-feira, ficou acertado também que a montadora e o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté terão reuniões às terças e quintas, na sede da empresa, e que até o dia 25 de fevereiro haverá um encontro entre os dirigentes sindicais e representantes globais da empresa. Segundo a ata da audiência, o sindicato quer conversar com esses representantes por acreditar que eles tenham "poderes de decisão de reverter o encerramento das atividades". A entidade de trabalhadores deverá apresentar, nesse encontro, "proposta concreta de alternativas". O fechamento da Ford em Taubaté não chegou a ser uma surpresa, uma vez que o nível de produção da planta vinha caindo e o número de funcionários encolheu. Para muitos, o encerramento da linha de caminhões em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, era o alerta de que a indústria automobilística ia mal no país. Desde o anúncio, o Sindicato dos Metalúrgicos do município vem realizando vigílias na fábrica e protesto em frente ao parque industrial. Em um deles, os trabalhadores penduraram seus uniformes no alambrado que cerca a planta, e neles escreveram os nomes de filhos, maridos e esposas. A iminência da realização de demissões em massa também levou o MPT (Ministério Pùblico do Trabalho) a iniciar ações na Justiça, nas quais dizia que a empresa estava recusando negociação coletiva. Duas liminares chegaram a ser concedidas proibindo a montadora de efetuar dispensas antes de um acordo coletivo. Na semana passada, como mostrou a coluna Painel S.A., nova decisão derrubou a proibição em Camaçari. A Ford disse, em nota, que todos os seus empregados no Brasil estão com os contratos ativos, sem alteração em salários e benefícios, e que isso será mantido.

  • Folhapress

    Sem Carnaval, hotéis de Salvador, Recife e Rio têm desconto e ocupação mediana

    SALVADOR, BA, RIO DE JANEIRO, RJ, E RECIFE, PE (FOLHAPRESS) - Nas ladeiras de Olinda, o sobe e desce foliões deu lugar ao vaivém dos carros. No Rio, o silêncio dá o tom dos barracões das escolas de samba, enquanto em Salvador os trios elétricos ficaram nas garagens. Na semana que representaria o pico do turismo, cidades como Rio de Janeiro, Salvador, Recife e Olinda vivem um clima de calmaria com o cancelamento do Carnaval por causa da pandemia do novo coronavírus. Os hotéis, que chegam a ter ocupação de todos os leitos neste período e preços até seis vezes mais caros, este ano têm uma média de ocupação entre 55% e 65% e descontos no valor das diárias. No Rio, a ocupação dos hotéis para o Carnaval está em 65%, bem abaixo do ano passado, quando a mesma taxa foi de 98%. Mesmo assim, empresários do setor avaliam que o cenário poderia ser ainda pior, afirma Alfredo Lopes, presidente da ABIH-RJ (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro). "Essa taxa está até interessante, achávamos que iria afetar mais ainda. Até porque foram tomadas medidas restritivas em São Paulo, maior emissor [de turistas] para o Rio", ele diz. Segundo Lopes, viajantes que têm como origem o estado de São Paulo representam 70% de todos que irão se hospedar nos hotéis do Rio durante o Carnaval. Ele também diz que o perfil dos hóspedes mudou: se antes eram os jovens que viajavam à cidade para festejar nos blocos de rua, neste ano as famílias representam a maior parte dos turistas. Em Salvador, o cenário é semelhante. Os cerca de 400 hotéis da cidade costumam faturar, juntos, cerca de R$ 150 milhões no Carnaval. Em um ano normal, este valor representa cerca de 11% de todo o faturamento anual dos hotéis, segundo a ABIH Bahia. Neste período, a ocupação dos hotéis da cidade chega a 100% e o preço médio dos pacotes chegam a ser seis vezes maiores do que em dias normais. Este ano, sem as festas, blocos e camarotes, a expectativa é que o faturamento dos hotéis de Salvador no Carnaval caia para cerca de R$ 40 milhões. Isso porque, apesar da previsão de uma ocupação razoável, em torno de 60%, os preços praticados estão bem abaixo do que o usual para o período da festa. Em média, houve um acréscimo entre 10% e 15% nos preços das diárias em relação os dias normais durante este período de pandemia. O impacto não inclui apenas os dias de Carnaval, já que o período pré-carnavalesco em Salvador é marcado por festas populares como a Lavagem do Bonfim e o Dia de Iemanjá, que também atraem turistas, além dos ensaios de verão de bandas de axé e blocos afro. A média de ocupação dos hotéis em janeiro foi de 50% contra 75% no mesmo período em 2020. Sem a festas, a maioria dos turistas que vêm para Salvador neste Carnaval estão em busca do chamado turismo de sol e praia. Por isso, tem sido maior a procura por resorts e pousadas próximo a praias, que são mais abertos e tem construções mais horizontais, permitindo um melhor distanciamento social entre os hóspedes. Ainda assim, o movimento registrado ainda é inferior ao de um ano normal. "As pessoas ainda não estão viajando como antes. A retomada vai depender diretamente da vacinação", afirma Luciano Lopes, presidente da ABIH Bahia. O cancelamento das festas também representou um baque no aluguel de imóveis por temporada nas capitais. O Airbnb, plataforma de aluguel de apartamentos por temporada, não divulga a taxa de ocupação nos seus imóveis. Ainda assim, a empresa confirma que desde maio foi identificado um novo perfil de turistas -famílias buscando por casas inteiras no campo e em cidades pequenas de praia, a até 300km dos centros urbanos. Nas capitais e cidades que tem o Carnaval como principal atrativo, como Olinda, a maioria dos imóveis sequer foram anunciados para aluguel. O músico Gabriel Melo, que mora em Olinda, sempre espera o Carnaval chegar para ganhar um extra alugando a sua casa por cinco dias. Com o cancelamento da festa, deixou de faturar entre R$ 10 mil e R$ 15 mil: "Não faz sentido as pessoas alugarem casas em Olinda neste período. Não vai ter Carnaval. Muito difícil acontecer. Alguns moradores de Olinda chegaram a baixar em até 70% o valor do aluguel e, mesmo assim, não conseguiram encontrar quem estivesse disposto a pagar. "Em Olinda, é praticamente zero a procura. Ninguém consegue alugar nada", diz o presidente da ABIH-PE (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Pernambuco), Eduardo Cavalcanti. De acordo com dados da associação, no mesmo período do ano passado, a rede hoteleira de Recife registrou 85% de ocupação e Olinda teve 90%. Neste ano, a perspectiva é de apenas 55% nas duas cidades. Para Cavalcanti, mais do que o cancelamento das festas em si, a suspensão do feriado e dos pontos facultativos representou o maior baque. "Foi mais grave para o setor do que a própria suspensão do festejo. Muita gente fugiria do Carnaval para Porto de Galinhas, no litoral sul, ou para Gravatá, no interior, mas agora vai ter que trabalhar", explica. A maior preocupação do setor hoteleiro é com o cenário pós-Carnaval, já que a partir de março começa o período da baixa estação, que se estende até junho. Em geral, o turismo de negócios, com eventos comerciais, convenções e congressos, é a principal fonte de renda do setor hoteleiro neste período. Mas com a pandemia, a maioria dos eventos foram cancelados. Para completar, o colchão financeiro que os hotéis fazem no verão e no Carnaval para segurar os custos da baixa estação, este ano não vai existir. "Enquanto não tiver vacinação eficiente, que imaginamos só a partir do segundo semestre, vamos sofrer", diz Alfredo Lopes, da ABIH do Rio. Ele diz que, como solução temporária, os empresários do turismo têm buscado segurar os custos, negociando com os sindicatos dos funcionários, e obter junto ao governo algum tipo de postergação no pagamento dos impostos.

  • Agência Brasil

    Nove detentos fogem de penitenciária de Salvador

    Ao menos nove presos fugiram do Complexo Penitenciário de Salvador, no bairro da Mata Escura, na capital baiana, na tarde deste domingo (7). A fuga foi tornada pública pelo Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado da Bahia (Sinspeb) e confirmada pela secretaria estadual de Administração Penitenciária (Seap) na manhã de hoje (8). Segundo o sindicato, os nove internos utilizaram cordas improvisadas - as chamadas Terezas, feitas com lençóis – para escalar o muro do pavilhão principal e chegar até a rua, onde se embrenharam pelo matagal que cerca o complexo prisional e escaparam em direção a bairros próximos. De acordo com o sindicato, a ação foi facilitada pela falta de vigilantes. No momento da fuga, 13 policiais penais trabalhavam no complexo penitenciário na tarde de domingo, vigiando 816 detentos. Segundo o sindicato, o local não conta com câmeras de monitoramento, bloqueadores de sinal de telefonia e nem barreiras externas que limitem o acesso de pessoas. O patrulhamento do entorno da unidade, que o sindicato afirma caber à Polícia Militar, não estaria sendo realizado. “Vale salientar que a vigilância perimetral das unidades prisionais baianas ainda está sob responsabilidade da Polícia Militar da Bahia, apesar da criação da Polícia Penal, pelo Congresso Nacional, no final de 2019”, informou o sindicato, em nota divulgada nas redes sociais. “Somando à grave escassez de policiais penais, a guarda do perímetro e das muralhas, que ainda está sob competência da Polícia Militar, não está sendo realizada. A PM retirou todos os seus prepostos das muralhas dos estabelecimentos penais.” Fuga O sindicato divulgou um vídeo da fuga, que disse ter sido filmada por uma pessoa que mora próximo ao complexo penitenciário. Nas imagens é possível contar 12 homens se esgueirando por entre o mato em uma via próxima à Avenida Gal Gosta. De acordo com o sindicato, parte deles teria ajudado o grupo de detentos a fugir. Em nota, a Seap afirma que a fuga foi constatada por volta das 15h30, quando policiais penais que faziam ronda na área externa do complexo penitenciário encontraram uma corda improvisada. Após conferência geral, foi confirmada a falta de nove detentos: Vitor Perreira dos Santos, Yuri Carlson Santana Santos, Luís Felipe Barros Cerqueira, Luciano Santos de Jesus Júnior, Lailson Campos Souza, Claudiomar Santos de Santana, Janderson dos Santos Silva, Carlos Diran Silva Machado e Luis Lima dos Santos. “As providências cabíveis já estão sendo tomadas pela direção do presídio e das polícias Militar, Civil e Penal. As autoridades pertinentes já foram alertadas e seguem com a apuração dos fatos para a elucidação da forma em que se protagonizou a fuga”, acrescentou a Seap. A Agência Brasil também consultou a Polícia Militar sobre o patrulhamento no perímetro da unidade. A corporação garante que mantém guardas nas guaritas externas do complexo penitenciário, e que foram justamente os policiais que reuniram as primeiras informações a respeito dos fugitivos. Ainda assim, o policiamento foi intensificado após a fuga e, segundo a PM, “já está sendo reformulado”. Matéria modificada às 12h51 para acréscimo de informação.

  • Folhapress

    Dia de Iemanjá tem praias bloqueadas e comércio fechado no Rio Vermelho, em Salvador

    SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - “A Bahia tem uma rainha: Iemanjá, a senhora das águas, poderoso orixá do candomblé, sereia de cinco nomes, dona Janaína, Inaê, Yá, Rainha de Aioká. Ela reina sobre esse império das águas. Mãe e esposa de pescadores, seu amor supremo, seu desejo impossível”. As palavras de Jorge Amado, no guia Bahia de Todos os Santos, revelam a força e a mística de Iemanjá, divindade de religiões de matriz africana que protagoniza uma das principais festas populares da Bahia. Todos os anos, no dia 2 de fevereiro, centenas de milhares de pessoas tomam as ruas de Salvador para saudar a orixá. Não em 2021. O Dia de Iemanjá foi comemorado com parcimônia na capital baiana em meio à segunda onda da epidemia da Covid-19. Nas praias do Rio Vermelho, principal palco da festa, apenas os pescadores da colônia de pesca do bairro tiveram livre acesso ao mar. A prefeitura de Salvador fechou com tapumes o acesso às principais praias do Rio Vermelho para impedir o acesso do público ao mar e à faixa de areia. Ambulantes não foram autorizados a trabalhar no Rio Vermelho. O comércio do bairro, com exceção de supermercados, farmácias, padarias e bancos, ficará fechado. Os estabelecimentos que abrirem as portas não poderão vender bebidas alcoólicas. Em tempos normais, a festa religiosa costuma reunir centenas de milhares de pessoas em diversos pontos da orla, mas principalmente no Rio vermelho. Além da parte religiosa, a festa é marcada pela apresentação de bandas e grupos folclóricos pelas ruas do Rio Vermelho, além de festas privadas em bares e casas de show do bairro, que é um dos mais boêmios de Salvador. Neste ano, a prefeitura iniciou ainda nesta segunda-feira (1º), o bloqueio dos acessos às praias do Rio Vermelho e suspendeu os festejos no entorno da Colônia de Pescadores do bairro. Os tapumes serão retirados na quarta-feira (3). O prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), recomentou às pessoas que fossem a outras praias dos 64 km de orla marítima de Salvador para prestar as homenagens à orixá, mas sem gerar aglomerações. “Com a pandemia, precisamos demonstrar nossa fé de forma responsável e cuidadosa”, disse o prefeito. No Rio Vermelho, apenas os líderes da colônia de pescadores e coordenação responsável pela entrega dos presentes à orixá tiveram acesso à praia. Os presentes, preparados de forma coletiva por pescadores e entidades religiosas foram levados para o mar em um barco que saiu às 8h da manhã. A cerimônia restrita foi transmitida nas redes sociais da prefeitura. Reconhecida como Patrimônio Cultural de Salvador, a Festa de Iemanjá é uma tradição iniciada por pescadores, que se reuniam no dia 2 de fevereiro para mandar presentes para a orixá das águas. No início do século 20, a região de Monte Serrat, na região Cidade Baixa, era o principal local de celebrações. A partir dos anos 1930, o bairro do Rio Vermelho ganhou centralidade nas comemorações. A festa é a principal manifestação cultural da Bahia ligada exclusivamente às religiões de matriz africana. Outras festas do calendário de festas populares, como a Lavagem do Bonfim, são marcadas pelo sincretismo religioso com o catolicismo.