Assunto

LQBTQIA+ | Notícias de diversidade e inclusão

Vídeos: Tudo sobre inclusão e diversidade

Ator de Senhor dos Anéis revela que nunca contou aos pais que é gay

Pais do ator faleceram antes que ele se assumisse homossexual. 
  • 00:54
  • 01:05
  • 02:34
  • 00:35
  • 00:43
  • 01:38
  • 01:38
  • 00:45
  • 02:52
  • 02:12
  • Yahoo Notícias

    Herança escravocrata: Polícia é treinada para tratar negros como ameaças

    Herança escravocrata de violência contra a população negra se mantém viva na rotina das corporações policiais a partir de abordagens violentas contra jovens negros das periferias

  • O Globo

    Globo de Ouro sofre boicote de estrelas e rede de TV por não implementar política de diversidade

    Tom Cruise devolveu prêmios, e NBC desistiu de transmissão em 2022 como forma de cobrança

  • Folhapress

    Polícia investiga possível ligação entre mortes de homens gays em Curitiba

    CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - A polícia do Paraná investiga as mortes de dois homens gays em Curitiba em um intervalo de poucos dias e com características semelhantes. Ambos moravam sozinhos na capital paranaense e foram encontrados mortos em seus respectivos apartamentos. Os corpos estavam com as mãos amarradas e apresentavam sinais de sufocamento. O enfermeiro David Levisio, 30, era natural do interior do Paraná e morava em Curitiba havia poucos meses. O corpo dele foi encontrado por amigos em seu apartamento, no bairro Lindoia, no dia 30 de abril, após três dias desaparecido. Segundo o delegado Victor Menezes, ele estava de bruços, com as mãos amarradas e um travesseiro no rosto. Já Marcos Vinício Bozzana da Fonseca, 25, era de Campo Grande (MS) e cursava medicina em Curitiba desde 2017. Amigos também estranharam seu desaparecimento e chamaram a polícia após irem até o apartamento dele, na quarta-feira (5), e encontrarem o imóvel trancado. O corpo estava coberto com uma manta até a cabeça e já apresentava sinais de decomposição, segundo a polícia. Marcos morava no bairro Portão, a cerca de 2 km de David. "Em todos os casos houve requintes de crueldade. A pessoa não queria somente matar, queria despejar ódio, então isso, para nós, caracteriza crimes de ódio", afirmou o diretor-presidente da Aliança Nacional LGBTI, Toni Reis. Os detalhes das mortes foram divulgados na ocasião dos crimes. Procurada novamente pela reportagem, a polícia informou que continua investigando e realizando diligências para esclarecer os fatos, mas que novas informações não serão divulgadas para não atrapalhar as apurações. As investigações estão sendo acompanhadas pela Aliança Nacional LGBTI, que também está reunindo informações com amigos e familiares das vítimas. A suspeita é de que os homens tenham sido mortos pela mesma pessoa após marcarem encontros por aplicativos. "Ficou essa certeza de que os dois casos têm ligação porque se trata de jovens solteiros que eram de outras cidades, moravam sozinhos em apartamentos em Curitiba, e pela forma em que os corpos foram encontrados", afirmou Marcel Jeronymo, coordenador jurídico do grupo. Segundo o advogado, os corpos não tinham sinais de resistência, o que indica que as vítimas podem ter sido dopadas antes de serem sufocadas. Marcel e a advogada da família de David, que não quis dar entrevista, também enviaram ao delegado notícias de uma terceira morte suspeita, nos mesmos moldes das ocorridas em Curitiba. O professor universitário Robson Paim, 36, foi encontrado morto por familiares dentro de casa em Abelardo Luz, no oeste de Santa Catarina, no dia 17 de abril. O carro dele foi localizado na mesma noite em Almirante Tamandaré, cidade da região metropolitana de Curitiba. Segundo informações da imprensa local, o caso é tratado pela polícia como latrocínio. A reportagem não conseguiu contato com o delegado responsável pelo caso de Santa Catarina. Diante das mortes suspeitas, a Aliança Nacional LGBTI lançou nesta segunda-feira (10) um manual para evitar casos de violência LGBTIfóbica. Entre as 11 dicas, o grupo aconselha que se evitem encontros marcados por aplicativos que não exigem autenticação dos usuários. Somados a esses casos, Toni Reis citou a investigação em torno da morte do ativista LBGT Lindolfo Kosmaski, 25, no dia 1º de maio. Ele foi atingido por dois tiros e teve o corpo carbonizado dentro do próprio carro na localidade de Coxilhão Santa Rosa, região dos Campos Gerais do Paraná, onde morava com a família. Lindolfo era ligado ao MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) e filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). Ele disputou a eleição para vereador na cidade em 2020, mas não se elegeu. Segundo o movimento e autoridades, indícios apontam para o crime de homofobia. Três suspeitos pelo assassinato foram presos pela polícia na sexta-feira (7). Também foram cumpridos três mandados de busca, com apreensão de objetos e dinheiro que estavam com os suspeitos. Segundo Vinicius Oliveira, da coordenação do coletivo LGBT do MST no Paraná, alguns elementos levam a crer que o crime tenha sido motivado por homofobia, como a própria forma em que ele foi morto. "Fui colega de faculdade do Lindolfo e ele me relatava o quanto a região era conservadora e das dificuldades de se assumir gay. Também há histórico na região de crimes LGBTfóbicos e feminicídios. Além disso, ele já me relatou que já havia sido ameaçado de morte", afirmou.

  • AFP

    NBC anuncia que não transmitirá Globo de Ouro ano que vem por falta de diversidade

    A emissora de televisão americana NBC anunciou nesta segunda-feira (10) que não transmitirá o Globo de Ouro no ano que vem devido à avalanche de críticas contra a organização dos prestigiados prêmios por falta de diversidade e transparência.

  • Yahoo Notícias

    Primeiro passo para ser antirracista: reconhecer que a abolição não acabou com o racismo

    A Lei Áurea não chegou nem perto de fazer justiça para os negros (as) escravizados (as) por quase 400 anos

  • Extra

    Dez anos após o STF reconhecer a união estável de casais gays, conheça histórias de casamentos homoafetivos

    Em 2010, 576 casais formados por pessoas do mesmo sexo registraram sua união estável no país....

  • Yahoo Notícias

    O Dia das Mães das mulheres com filhos presos: ‘um amor que as grades não seguram’

    Para manter a conexão com os filhos encarcerados, as mães se unem em coletivo e lutam contra tratamentos desrespeitosos, longas viagens e violações de direitos humanos

  • Extra

    Paulo Gustavo posou para capa histórica pelo movimento gay há 22 anos

    Paulo Gustavo fez história antes de ficar famoso. Em 1999, o ator, ainda um estudante de teatro,...

  • Folhapress

    Jornalista da GloboNews diz que Paulo Gustavo o ajudou a se assumir gay

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Marcelo Cosme, apresentador da GloboNews, falou no canal de notícias sobre como Paulo Gustavo o ajudou a se assumir gay para a família. O ator e humorista morreu na última terça-feira (4) após complicações provocadas pela Covid. Durante o GloboNews em Pauta de quinta-feira (6) ele apresentou uma reportagem sobre doações feitas por Paulo Gustavo durante a pandemia. Na sequência, ele pediu a palavra e disse que todos deveriam agradecer um pouco ao humorista. "Eu agradeço que quando ele colocou naquele filme dele lá de 2013 ["Minha Mãe É uma Peça"], que ele conta para mãe que é gay, e aí minha mãe contando que assistiu ao filme e achava graça", lembrou. "E naquela época eu não tinha me assumido para a minha família." "Eu pensava o seguinte: se minha mãe vendo uma mãe aceitando um filho gay rindo na TV, [ela] vai me acolher quando eu contar", disse. "E quando contei para a minha mãe, ela falou o que hoje a gente ouviu ele dizendo na Ana Maria Braga o que a mãe dele falou: 'A gente tem medo que você sofra na rua, mas aqui dentro de casa a gente vai segurar as pontas'." "Como esse cara mexeu na vida da gente e me ajudou", agradeceu. "Minha mãe ria dessa história. Ajudou a mim, imagine quanta gente não ajudou por aí." O jornalista fez questão de compartilhar um vídeo do momento nas redes sociais. Ele recebeu o apoio de vários famosos, como Tiago Abravanel, Danielle Winits, Marcus Majella e Alessandro LoBianco. "Querido Marcelo Cosme, eu acho tão importante quando você se posiciona e abre o seu coração assim", elogiou a colega Sandra Annenberg. "Paulo Gustavo abriu caminho para tantes (sic) e você também está abrindo os caminhos para outres! É disso que precisamos, acolhimento e sinceridade. Valeu, amigo!"

  • Yahoo Vida e Estilo

    Ator de Senhor dos Anéis revela que nunca contou aos pais que é gay

    Pais do ator faleceram antes que ele se assumisse homossexual.