Assunto

Investimentos e mercado financeiro últimas notícias

MG anuncia plano de investimento de R$25 bi de fábrica de veículos elétricos

  • SÃO PAULO (Reuters) - O governo de Minas Gerais anunciou nesta sexta-feira que assinou protocolo de intenção com a Bravo Motor para fábrica de veículos elétricos e packs de baterias na região metropolitana de Belo Horizonte, com investimento previsto de 25 bilhões de reais. Novas fases de investimento estão previstas para outras regiões de Minas, com produção de baterias de lítio, afirmou o governo mineiro, em comunicado.

Vídeo: Notícias do mercado financeiro

Cartão de crédito é o principal vilão das dívidas, diz pesquisa

Um estudo feito pela plataforma de renegociação de dívidas Quitejá. Com 3 mil clientes de todas as idades, o estudo mostrou que 47,7% dos brasileiros possuem dívidas entre R$ 1 mil e R$ 5 mil. A faixa etária mais endividada é de 35 a 44 anos (34,8%). Sendo que 81,4% possuem renda mensal de R$ 1 mil a R$ 3 mil
  • 01:59
  • 01:52
  • 02:01
  • 01:55
  • 01:38
  • 01:37
  • 01:37
  • 01:59
  • 00:57
  • 01:46
  • Reuters

    MG anuncia plano de investimento de R$25 bi de fábrica de veículos elétricos

    SÃO PAULO (Reuters) - O governo de Minas Gerais anunciou nesta sexta-feira que assinou protocolo de intenção com a Bravo Motor para fábrica de veículos elétricos e packs de baterias na região metropolitana de Belo Horizonte, com investimento previsto de 25 bilhões de reais. Novas fases de investimento estão previstas para outras regiões de Minas, com produção de baterias de lítio, afirmou o governo mineiro, em comunicado.

  • Folhapress

    Números do mercado financeiro

    DÓLAR compra/venda Câmbio livre BC - R$ 5,6864 / R$ 5,6870 ** Câmbio livre mercado - R$ 5,6800 / R$ 5,6820 * Turismo - R$ 5,6670 / R$ 5,8430 (*) cotação média do mercado (**) cotação do Banco Central Variação do câmbio livre mercado no dia: 0,38% OURO BM&F R$ 305,100 BOLSAS B3 (Ibovespa) Variação: 2,23% Pontos: 115.202 Volume financeiro: R$ 46,447 bilhões Maiores altas: Cogna ON (10%), PetroRio ON (7,60%), Grupo Natura ON (6,52%) Maiores baixas: B2W Digital ON (-4,27%), Copel PNB (-2,77%), Lojas Americanas PN (-2,61%) S&P 500 (Nova York): 1,95% Dow Jones (Nova York): 1,85% Nasdaq (Nova York): 1,55% CAC 40 (Paris): -0,82% Dax 30 (Frankfurt): -0,96% Financial 100 (Londres): -0,31% Nikkei 225 (Tóquio): -0,23% Hang Seng (Hong Kong): -0,47% Shanghai Composite (Xangai): -0,04% CSI 300 (Xangai e Shenzhen): -0,34% Merval (Buenos Aires): -1,18% IPC (México): 0,74% ÍNDICES DE INFLAÇÃO IPCA/IBGE Janeiro 2020: 0,21% Fevereiro 2020: 0,25% Marco 2020: 0,07% Abril 2020: -0,31% Maio 2020: -0,38% Junho 2020: 0,26% Julho 2020: 0,36% Agosto 2020: 0,24% Setembro 2020: 0,64 Outubro 2020: 0,86% Novembro 2020: 0,89% Dezembro 2020: 1,35% Janeiro 2021: 0,25% INPC/IBGE Janeiro 2020: 0,19% Fevereiro 2020: 0,17% Março 2020: 0,18% Abril 2020: -0,23% Maio 2020: -0,25% Junho 2020: 0,30% Julho 2020: 0,44% Agosto 2020: 0,36% Setembro 2020: 0,87% Outubro 2020: 0,89% Novembro 2020: 0,95% Dezembro 2020: 1,46% Janeiro 2021: 0,27% IPC/Fipe Janeiro 2020: 0,29% Fevereiro 2020: 0,11% Março 2020: 0,10% Abril 2020: -0,30% Maio 2020: -0,24% Junho 2020: 0,39% Julho 2020: 0,25% Agosto 2020: 0,78% Setembro 2020: 1,12% Outubro 2020: 1,19% Novembro 2020: 1,03% Dezembro 2020: 0,79% Janeiro 2021: 0,86% IGP-M/FGV Fevereiro 2020: -0,04% Março 2020: 1,24% Abril 2020: 0,80% Maio 2020: 0,28% Junho 2020: 1,56% Julho 2020: 2,23% Agosto 2020: 2,74% Setembro 2020: 4,34% Outubro 2020: 3,23% Novembro 2020: 3,28% Dezembro 2020: 0,96% Janeiro 2021: 2,58% Fevereiro 2021: 2,53% IGP-DI/FGV Janeiro 2020: 0,09% Fevereiro 2020: 0,01% Março 2020: 1,64% Abril 2020: 0,05% Maio 2020: 1,07% Junho 2020: 1,60% Julho 2020: 2,34% Agosto 2020: 3,87% Setembro 2020: 3,30% Outubro 2020: 3,68% Novembro 2020: 2,64% Dezembro 2020: 0,76% Janeiro 2021: 2,91% SALÁRIO MÍNIMO Janeiro 2021: R$ 1.100

  • Reuters

    Para autoridades do Fed, movimento nos mercado de bônus não justifica mais estímulo monetário

    (Reuters) - Autoridades de alto escalão do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) expressaram pouca preocupação nesta sexta-feira com o rápido aumento nos yields dos Treasuries nas últimas semanas, sinalizando que não vão fazer nada para intensificar a já ultra-acomodatícia política monetária na próxima reunião. Os movimentos do mercado de Treasuries fizeram com que alguns investidores especulassem que o Fed agiria para reforçar seu atual programa de compra de títulos, a fim de reduzir os custos de empréstimos de longo prazo.

  • Agência Brasil

    Crédito rural sobe 18% em relação à safra anterior

    Os produtores rurais brasileiros estão pegando mais dinheiro emprestado. Segundo o Balanço de Financiamento Agropecuário da Safra 2020/2021, divulgado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, as contratações de crédito rural somaram R$ 147,57 bilhões entre julho de 2020 e fevereiro de 2021. Isso representa crescimento de 18% em relação ao emprestado no mesmo período da safra anterior. O crédito para investimento totalizou R$ 47,33 bilhões e registrou o maior crescimento, de 40% na comparação com o segundo semestre do ano anterior. Os financiamentos de custeio alcançaram R$ 78,64 bilhões, crescimento de 14%, e os de industrialização, R$ 8,24 bilhões, alta de 1%. A única modalidade a registrar queda nas contratações foi a dos financiamentos de comercialização, que caíram 3% e somaram R$ 13,34 bilhões. Segundo o Ministério da Agricultura, o recuo deve-se à alta nos preços dos alimentos, que reduziu a necessidade de crédito para a venda da produção. Investimento No crédito para investimento, que engloba compra de máquinas e melhorias no armazenamento e na produção, os empréstimos aos pequenos produtores atendidos pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) totalizaram R$ 10,23 bilhões, com alta de 8% em relação à safra passada. Os médios produtores, atendidos pelo Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), contraíram R$ 1,88 bilhão emprestados para investimentos, com alta de 3%. Os demais produtores, categoria que abrange grandes produtores e cooperativas, responderam por R$ 35,22 bilhões, com alta de 56%. Em relação aos programas de investimento, financiados com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o maior volume de contratações ocorreu no Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota), com R$ 7,03 bilhões (+33%). Em seguida, vêm o Programa de Agricultura de Emissão de Baixo Carbono (Programa ABC), com R$ 2,09 bilhões (+12%) e o Programa de Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), com R$ 1,66 bilhão (+60%). Os empréstimos do Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro) totalizaram R$ 1,56 bilhão (+29%). As operações do Programa de Modernização da Agricultura e Conservação dos Recursos Naturais (Moderagro) somaram R$ 1,3 bilhão (+28%). As operações de crédito do Programa de Incentivo à Irrigação e à Produção em Ambiente Protegido (Moderinfra) totalizaram R$ 714 milhões (+106%). Custeio Quanto às contratações de custeio, os pequenos produtores responderam por R$ 12,11 bilhões (+19%) e os médios produtores, por R$ 17,38 bilhões (+6%). A maior parte, R$ 49,14 bilhões, foi contratada por grandes produtores e cooperativas, com crescimento de 16%. Segundo o Ministério da Agricultura, os financiamentos agropecuários com base nas emissões de Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) totalizam R$ 20,8 bilhões, com alta de 15%. Título de renda fixa privado, a LCA permite o financiamento do agronegócio sem custo para os cofres públicos.

  • Folhapress

    Mercado de eventos vê perspectiva de sobrevivência com aprovação de auxílio

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Empresários do mercado de eventos receberam com alívio a aprovação pela Câmara do programa para retomada do setor na quarta (3). Para Daniel Neves, presidente da Anafima (associação da indústria da música), o projeto pode evitar mais quebradeira de empresas e um desmonte do setor. Segundo ele, a possibilidade de renegociar dívidas tributárias com o Fisco Federal deve ajudar a buscar crédito novo e pagar as contas. Doreni Caramori, presidente da Abrape (que reúne promotores de eventos), comemora a previsão de um crédito subsidiado carimbado para as empresas do setor. "Nos primeiros ciclos de programas de ajuda, houve mais demanda que oferta, e os agentes escolheram as empresas que mostravam melhores condições, em vez das companhias de eventos", afirma. O texto ainda precisa passar pelo Senado. Auxiliares do presidente da Casa, Rodrigo Pacheco, afirmam que o assunto será prioritário. Além da possibilidade de renegociar dívidas tributárias e ter novas fontes de financiamento, o projeto também prevê isenção de Pis, Cofins e CSLL por 60 meses e a possibilidade de que voltem a suspender contratos de trabalho e reduzir jornadas até o final de 2021. Cinemas e empresas de hotelaria também se beneficiam das medidas.

  • Canaltech

    Huawei cai e Oppo toma a liderança no maior mercado de celulares do planeta

    Queda provocada por escassez de componentes e venda da submarca Honor abriu espaço para investidas mais agressivas das concorrentes, que tomaram boa parte do mercado offline e online da Huawei e a deixou no terceiro lugar da disputa

  • Reuters

    Ações europeias são pressionadas por títulos, mas registram ganhos semanais com cíclicas

    (Reuters) - Os mercados acionários europeus fecharam em queda nesta sexta-feira uma vez que os rendimentos de títulos avançaram com o aumento das projeções para a inflação diante de dados fortes sobre a criação de empregos nos Estados Unidos, embora o índice STOXX 600 tenha registrado ganhos semanais com a força de setores sensíveis ao crescimento. O STOXX 600 recuou 0,8% na sessão, com as ações de viagens e empresas de serviços financeiros liderando as perdas.

  • Bloomberg

    Paraguai não tem pressa de subir juros, diz banco central

    (Bloomberg) -- O Paraguai vai evitar elevar os juros em relação às mínimas históricas até que as autoridades de política monetária tenham certeza de que a recuperação está consolidada e, ainda assim, o caminho para taxas neutras “será um processo gradual”, segundo o presidente do banco central.“Como as expectativas de inflação estão ancoradas, isso nos dá espaço suficiente para continuar apoiando a economia”, disse José Cantero em entrevista por vídeo na quinta-feira.A inflação, agora em 2,5%, não deve se aproximar da meta de 4% do banco central até ao longo de 2022, disse. Analistas consultados pelo banco central no mês passado esperam que a autoridade monetária eleve a taxa de referência para 1,25% do nível atual de 0,75% até o final do ano e para 1,75% em 2022. Cantero não quis comentar sobre o que o banco central considera um nível de taxa neutro.Cantero, assim como líderes de outros bancos centrais, enfrenta a questão de como sincronizar a retirada de uma política monetária frouxa. O estímulo fiscal e o otimismo alimentados pela distribuição de vacinas reforçaram as expectativas de avanço da inflação, o que elevou os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA. Projeções apontam que o Banco Central do Brasil, maior parceiro comercial do Paraguai, eleve a Selic no final deste mês.O banco central paraguaio cortou a taxa básica em 325 pontos-base no espaço de apenas quatro meses, o maior corte acumulado no ano passado entre países sul-americanos com regimes de metas de inflação, e liberou liquidez de cerca de US$ 3,8 bilhões, ou 11% do PIB, incluindo empréstimos ao Tesouro e menores requisitos de reservas de depósitos. O Congresso também autorizou o governo a captar US$ 1,6 bilhão para gastar com a pandemia.O Paraguai respondeu à crise “como um país com grau de investimento” e a economia provavelmente encolheu menos de 1% em 2020, disse Cantero. As principais agências de classificação de risco colocam o Paraguai um nível abaixo do grau de investimento.A integração ainda limitada do Paraguai com a economia global é uma vantagem durante a atual crise de volatilidade do mercado financeiro desencadeada pelo aumento dos rendimentos dos títulos dos EUA, disse Cantero.“Nossa economia está de volta ao normal e no caminho para crescer 4%”, disse Cantero. O banco central espera que a construção, a manufatura e o varejo sustentem a recuperação neste ano, acrescentou.For more articles like this, please visit us at bloomberg.comSubscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.©2021 Bloomberg L.P.

  • Folhapress

    FGTS está entre os principais motivos de ações na Justiça do Trabalho

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Problemas envolvendo o pagamento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) estão entre os assuntos mais recorrentes nas ações apresentadas por trabalhadores na Justiça do Trabalho. No pódio dos motivos para processos contra empregadores, o topo é ocupado pelo aviso prévio, que apareceu em 394,3 mil casos. A multa de 40% do FGTS vem em seguida, com menção em 332,8 mil ações trabalhistas apresentadas em 2020, segundo estatística do TST (Tribunal Superior do Trabalho). Os trabalhadores têm direito à multa quando são demitidos sem justa causa. Ela deve ser calculada sobre o saldo de depósitos feitos pelo empregador no decorrer do contrato. Discussões sobre o pagamento do Fundo de Garantia aparecem outras duas vezes no ranking dos 20 principais assuntos destacados pelo TST. Falhas em depósitos ou a existência de diferença a ser recolhida apareceram em 162,7 mil processos trabalhistas no ano passado. Outras 130 ações mil citam apenas o Fundo de Garantia. É comum que as ações apresentadas por trabalhadores contra empregadores tenham diversos pedidos consecutivos. O terceiro motivo mais comum no ranking do TST é a multa prevista no artigo 477 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), devida quando o empregador não paga as verbas rescisórias até dez dias depois de o contrato ser encerrado. O Termômetro Covid-19 na Justiça do Trabalho, ferramenta de jurimetria da Datalawyer, mostra que, entre os quase 200 mil processos trabalhistas que citam a pandemia de coronavírus, a multa do FGTS também aparece em segundo lugar no volume de demandas. Até esta quinta-feira (04), 38,8 mil ações tratavam do assunto. Diferenças de recolhimento ou falta de depósito aparecem em 16,4 mil ações trabalhistas. O FGTS, diferentemente da contribuição previdenciária, é recolhido integralmente pelo empregador. Ele corresponde a 8% do valor do salário, e é depositado em conta vinculada ao CPF do trabalhador. Cada emprego gera uma nova conta. Trabalhadores com contrato de jovem aprendiz têm recolhimento de 2%. Nos últimos anos, os governos Jair Bolsonaro e Michel Temer mexeram em regras de remuneração e saque, aumentando as possibilidades de movimentação do dinheiro. Originalmente, o trabalhador podia sacar os valores quando era demitido sem justa causa, ao fim de contrato de trabalho, na aposentadoria ou se ficasse três anos sem emprego formal. Também era permitido usar o saldo na compra da casa própria. No ano passado, o governo liberou uma retirada emergencial de até um salário mínimo. Antes disso, já tinha permitido o saque aniversário, no qual o trabalhador recebe parte do saldo, todos anos, no mês em que nasceu. Quem adere a esse modelo não recebe os valores do Fundo de Garantia se for demitido -esse tipo é chamado de saque rescisão. Os trabalhadores com carteira assinada conseguem acompanhar os depósitos de valores feitos pelos empregadores. Esse monitoramento pode ser uma boa solução para evitar problemas no futuro, como a descoberta de que o dinheiro não foi recolhido. No site do FGTS (fgts.gov.br), é possível acessar os extratos completos e cadastrar o telefone para receber, por mensagem de texto, informações da movimentação da conta do fundo. Há também o aplicativo FGTS, disponível para Android e IOS.

  • Canaltech

    Mercado de apps de relacionamento pode atingir US$ 8,4 bilhões até 2024

    Entre outros dados, estudo da Adjust aponta que sábado é o dia de maior movimento, tanto em instalações (7.73%), quanto de uso (3.94%).; além disso, os europeus são aqueles que mais gastam tempo neste tipo de app, seguido pelos norte-americanos e asiáticos