Assunto

Rio de Janeiro | Últimas notícias da capital carioca

  • Folhapress

    Ministério Público cria força-tarefa para investigar mortes no Jacarezinho, no Rio

    RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O Ministério Público do Rio de Janeiro anunciou nesta terça-feira (11) a criação de uma força-tarefa com quatro promotores para investigar as mortes durante a operação na favela do Jacarezinho, na zona norte do Rio de Janeiro. De acordo com o procurador-geral de Justiça, Luciano Mattos, o grupo tem um prazo de quatro meses de funcionamento, podendo ser extendido caso necessário. O grupo conduzirá uma investigação à parte da conduzida pela Divisão de Homicídios sobre as mortes. O procedimento é uma determinação do STF (Supremo Tribunal Federal) na ADPF 635, que trata das operações policiais no Rio de Janeiro. "Existe um PIC [procedimento investigatório criminal] que vai fazer com que a investigação tenha natureza de independência", afirmou Mattos. O MP-RJ enviou um perito da instituição para acompanhar a análise dos corpos no IML. "Acompanhamos os exames do IML com um perito para garantir a isenção", disse Mattos. Apuração terá como alvo a morte dos 27 civis, do policial André Frias, cinco tentativa de homicídios contra policiais e as duas pessoas feridas dentro da estação do metrô durante a operação. O anúncio é feito após cobranças sobre o MP-RJ por ter encerrado o Gaesp (Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública), que atuava na investigação de parte das mortes provocadas por policiais. A extinção do grupo faz parte da reformulação feita por Mattos nos grupos especializados do MP-RJ. Ele considerou que as equipes estavam infladas, com excesso de atribuição e desfalcavam o trabalho das promotorias comuns. O procurador-geral utilizou o caso para expor sua posição sobre a atuação dos grupos. Ele destacou o fato do coordenador da força-tarefa, o promotor André Cardoso, ser o promotor natural do caso -membros vinculado a uma promotoria que recebe os casos automaticamente, por atribuição legal. "A distribuição natural é uma garantia para os policiais e para a polícia. Não foi escolhido pelo procurador-geral", disse Mattos. O fim do grupo e o envio do caso aos promotores naturais foi alvo de preocupação da ONG Human Rights Watch na apuração do caso. "Essa era a configuração antes da criação do Gaesp em dezembro de 2015, e que apresentava uma série de problemas que contribuíam para os sucessivos fracassos de procuradores-gerais de Justiça do Rio de Janeiro em exercer de forma eficaz o controle externo da polícia", afirmou a entidade. Entre os problemas listados está o excesso de procedimentos tocados por essas promotorias, a falta de especialização na apuração de crimes cometidos por agentes do estado e a possível proximidade com policiais com que os promotores trabalharam em outros caso. Cardoso afirmou que não sabe ainda o nome dos policiais envolvidos na morte. Disse também que, caso conheça algum, isso não o impede de atuar. "As situações de suspeição e impedimento estão previstas no CPP [Código de Processo Penal]. Não estão presentes nenhuma delas. Promotores atuam com policiais e juízes todo o dia. Isso não tem relação com a atividade profissional", disse o promotor. Cardoso não deu suas impressões sobre o caso. Afirmou que colheu o depoimento de alguns familiares de vítimas e disse que não sabe sequer o nome dos policiais envolvidos. Ele também não quis comentar o fato dos policiais terem contrariado a decisão do STF ao levar os corpos dos mortos por agentes para o hospital.

  • Extra

    Juliette se hospeda na casa de Anitta, no Rio de Janeiro: 'Zerei a vida'

    Passando uma temporada no Rio de Janeiro para negociar seus contratos de trabalho, mas também...

  • Extra

    Suspeito de matar delegado há mais de 20 anos no Espírito Santo é preso no Rio

    Numa ação conjunta, agentes do 2º Departamento de Polícia de Área (DPA) e da Subsecretaria de...

  • BBC News Brasil

    Covid na Índia: O que explica o aparecimento de dezenas de corpos no rio Ganges

    Índia registrou mais de 22,6 milhões de casos de coronavírus e 246.116 mortes relacionadas ao coronavírus.

  • BBC News Brasil

    Bob Marley no Brasil: o dia em que o músico jamaicano jogou futebol com Chico Buarque e Moraes Moreira no Rio

    Cantor jamaicano, morto há 40 anos, passou pelo Rio para um evento da gravadora Ariola, mas não fez shows no país.

  • Yahoo Notícias

    SP e RJ suspendem vacinação de mulheres grávidas contra a covid-19

    Em São Paulo, grávidas com comorbidades começariam a ser vacinadas nesta terça-feira (11)

  • Folhapress

    Ministério da Saúde investiga morte de gestante após tomar AstraZeneca no RJ; Anvisa recomenda suspender uso

    Anvisa emitiu nota técnica em que recomenda a suspensão imediata do uso da vacina Covid da AstraZeneca/Fiocruz em mulheres gestantes

  • LANCE!

    Após viagens e vaga na final do Carioca, Fluminense terá sequência de quatro partidas no Maracanã

    Tricolor está na final do Estadual diante do rival Flamengo e enfrentará Independiente Santa Fe e Junior de Barranquilla para garantir a vaga nas oitavas da Libertadores

  • O Globo

    'A vida é um sopro', diz filha de mulher morta por bala perdida em São Gonçalo no Dia das Mães

    Atendente de lotérica foi baleada enquanto ia à igreja com o filho de 13 anos

  • O Globo

    Para receber Auxílio Carioca, artesãos da Feira Hippie de Ipanema cobram registro na prefeitura

    Sem legalização, expositores dizem não ter como receber benefício, concedido a quem ficou impedido de trabalhar de 26 de março a 4 de abril devido a medidas restritivas