Assunto

Inteligência emocional e Saúde Mental

  • Originais do Yahoo

    Saúde mental das crianças precisa de atenção no isolamento social

    Restrições provocadas pela pandemia estão gerando sintomas de ansiedade e depressão, além de outros problemas psicoemocionais em crianças e adolescentes. Em conversa com Fernando Rocha no 'É Normal', a pediatra Ana Escobar dá algumas orientações para manter a saúde mental dos pequenos.

  • AFP

    Governo japonês lança alerta contra o suicídio após morte de atriz

    O governo japonês encorajou nesta segunda-feira o público a "pedir ajuda" em caso de dificuldades pessoais, após a morte no último fim de semana de uma famosa atriz em um aparente suicídio, segundo a mídia local.

  • AFP

    Ex-chefe de campanha de Trump hospitalizado após ameaça de suicídio

    Brad Parscale, ex-diretor de campanha de Donald Trump, foi transferido para um hospital da Flórida depois que sua esposa ligou para a polícia porque ele ameaçou cometer suicídio, informou a imprensa local.

  • Papelpop

    Norah Jones fala das dores e delícias do autoconhecimento, no clipe de “Hurts To Be Alone”

    O período de quarentena tem inspirado muitos artistas a realizarem produções mais intimistas, um tanto quanto mais caseiras e também pessoais. A cantora Norah Jones entrou para esta lista, ao lançar o clipe de "Hurts To Be Alone", single do seu sétimo álbum solo de estúdio, "Pick Me Up Off The Floor”, lançado em junho. […]

  • O Globo

    Setembro Amarelo: psicóloga faz campanha voluntária para prevenir o suicídio

    Praça Agripino Grieco, no Méier, é palco de ação beneficente nesse sábado (26)

  • Extra

    Padre Marcelo fala de milagre após empurrão, uso de anabolizante e suicídio na família em seu livro mais íntimo

    "Levei cinco minutos para responder à brigadista que me foi socorrer e pedi, por favor, para ela...

  • Originais do Yahoo

    Bárbara Evans pede apoio emocional para Monique Evans

    Monique Evans testou positivo para a Covid-19 na última quinta-feira (24).

  • HuffPost Brasil

    Redes Sociais e Saúde Mental: O episódio 21 do podcast Tamo Junto

    Conversamos com MM Izidoro sobre como podemos aproveitar o melhor das redes sociais com equilíbrio e saúde mental.

  • Folhapress

    Zezé Motta diz que buscou ajuda para evitar depressão na pandemia

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Zezé Motta, 76, contou que precisou de ajuda profissional para lidar com as emoções que a quarentena causada pela pandemia de Covid-19 teve sobre ela. "Vivi o tédio, a insônia, o distanciamento dos meus filhos pela Covid", contou na gravação do programa O Mundo Pós-Pandemia (CNN Brasil). "Quando percebi que tudo isso poderia resultar em depressão, busquei ajuda." Entre os desafios enfrentados por ela nesse período estiveram a morte da mãe, Maria Elazir, aos 85 anos, e do sobrinho Luís Antonio. "O ano me trouxe duas grandes perdas, ainda preciso lidar com elas", disse. Ela também discorreu sobre o alto índice de mortes que o coronavírus vem provocando em todo o mundo. "É muito difícil lidar com as estatísticas dos que se vão", avaliou. "A pandemia não nos deixa mentir: somos todos iguais." A atriz e cantora, que tem no currículo mais de 55 filmes, 35 novelas e 14 discos gravados em 54 anos de carreira, falou ainda sobre como percebe hoje o preconceito racial no Brasil. "Agora é escancarado", afirmou. "A luta do racismo não pode ser apenas a pauta dos negros." A entrevista vai ao ar na sexta-feira (25), a partir das 22h30.

  • Folhapress

    Principal suspeita é de suicídio, aponta PF sobre morte de Elias Maluco

    CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal aponta como suicídio a principal hipótese de causa da morte do traficante Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, cujo corpo foi encontrado nesta terça-feira (22) em sua cela na Penitenciária Federal de Catanduvas, oeste do Paraná. O laudo preliminar do IML de Cascavel, para onde o corpo foi levado por volta de 0h, indica morte por enforcamento. O delegado da PF Daniel Martarelli da Costa, responsável pela apuração, apontou que Elias teria se enforcado com o próprio lençol, que foi pendurado em uma das entradas de ar da cela. Ele tinha 54 anos e estava preso desde 2002, mesmo ano da morte do jornalista Tim Lopes, da qual Elias foi apontado como mandante. Os agentes penitenciários encontraram o corpo por volta de 15h45, pouco antes do horário marcado para um encontro do traficante com um dos seus advogados, às 16h. Antes disso, às 11h30, ele recebeu normalmente o almoço pela portinhola da cela, segundo relato deles à PF. O último contato de Elias com outros presos foi durante o banho de sol, na segunda-feira (21). Segundo o delegado, testemunhas ouvidas no local contaram que, nos últimos dias, o traficante não demostrou qualquer indício de que pudesse cometer suicídio. Apesar da suspeita, Martarelli disse aguardar o resultado dos laudos periciais do local e do corpo para encerrar a apuração, o que pode demorar até 30 dias. Outras provas, como imagens de câmeras de segurança dos corredores da penitenciária, depoimentos de agentes e cartas apreendidas no local ajudarão na conclusão da investigação. As cartas, segundo o delegado, são direcionadas a familiares do traficante. "Elas não tratam diretamente de motivos [para o suicídio] nem ele coloca a culpa em ninguém. Em geral, trazem conversas pessoais com cada familiar e, em alguns momentos, ele cita que não tem mais vontade de viver ou coragem de encarar os familiares e, por conta disso, teria se matado." Chamou a atenção de Martarelli a organização na cela de Elias. "A cama estava feita e os materiais que ele tinha, como livros e cartas, estavam todos organizados na bancada." O traficante foi condenado em quatro processos distintos, um deles pela morte do jornalista Tim Lopes, em 2002. Ele foi preso em setembro daquele ano, três meses após o assassinato, e a condenação, a 28 anos e seis meses de prisão, aconteceu em 2005. O repórter investigativo da TV Globo foi capturado enquanto fazia uma reportagem sobre abuso de menores em um baile funk na favela do Cruzeiro, no bairro da Penha, na zona norte do Rio. Elias ainda respondia por tráfico de drogas e associação para o tráfico, além de lavagem de dinheiro. A última condenação, de 2013, foi por ter comprado imóveis e um carro de luxo com recursos do tráfico e registrado os bens em nome da mulher e da sogra. Todas as penas a que ele foi condenado somavam mais de 70 anos de prisão. Em agosto do ano passado, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, revogou uma prisão preventiva contra o traficante. O mandado era de junho de 2017, referente a uma acusação de associação com o tráfico de drogas em São Gonçalo, no Rio de Janeiro. Apesar da decisão, Elias permaneceu preso por conta de outras condenações. Já em janeiro de 2020, quase 18 anos depois do assassinato de Lopes, um grupo de advogados divulgou que queria desarquivar o inquérito. Para os criminalistas, o traficante era inocente, já que estaria fora do Rio no dia do homicídio. Eles também acreditavam que poderiam comprovar que as ossadas encontradas, na verdade, não eram do jornalista. Caso a hipótese fosse confirmada, pediriam a anulação do processo. Com a publicação no Diário Oficial da União de um ato do Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), em janeiro de 2019, os advogados foram autorizados a investigar por conta própria. A mudança, que atinge o Código de Processo Penal, fez com os defensores decidissem reinvestigar um caso tido como já resolvido pela Justiça.

COMPARTILHE ESTA PÁGINA